A Lua marrom

Janeiro de 1996, início de noite: surge a lua mais linda que já vi sobre o canal de Cananeia. Aquele prateado refletindo no canal, nunca mais me esqueci dessa imagem. Na semana passada, a lua cheia deu o ar de sua graça aqui em São Paulo. Apesar de bela, ela estava marrom, parecia até meio enferrujada. Para alguns a culpa foi do clima seco.

Quando é que vamos parar com essa falácia de culpar o clima seco? No deserto, o clima é mais seco, mas dá pra respirar! Ok, é culpa da poluição. Mas quem polui nosso ar? Os caminhões que foram para o Rodoanel? Os fretados que foram expulsos da cidade? Os 15 mil ônibus da nossa frota? Chega, né? A culpa é das seis milhões de pessoas que têm (e principalmente usam) carros nessa cidade.

Semana passada corri para o Hospital Infantil com meu filho. Lá chegando, via tudo com aperto no coração. Lotado de crianças chorando, sofrendo devido aos problemas causados pela “clima seco”. Sei que, diariamente, 20 pessoas (maioria idosos e crianças) morrem por causa da poluição. Já imaginou ver uma criança morrer e saber que colaborei graças ao escapamento do meu carro? Ontem, peguei um ônibus que fez em 50 minutos um trajeto que eu faria em 15 minutos de bicicleta. Em frente ao aeroporto, entrou um cadeirante. O ônibus deu a volta para entrar no Campo Belo e parou do outro lado da via para o cadeirante descer, bem embaixo da passarela. Detalhe, a passarela do Aeroporto de Congonhas só tem escadas.

Enquanto ninguém consegue atravessar uma ponte a pé ou de bicicleta, os motoristas ganharam uma linda Nova Marginal. Enquanto não temos calçadas para caminhar, as ruas dos Jardins estão recapeadas. Enquanto a passarela do Aeroporto não é acessível, os motoristas têm a “útil” Ponte Estaiada. Por isso que nunca mais quero dirigir um carro, não consigo compactuar com tanta injustiça.

Vou sofrer? Claro que sim, mas minha consciência estará tranquila, minha barriga controlada, meu pulmão igual ao de um fumante (mesmo sem fumar), mas não vou resolver o “meu problema” de mobilidade à custa da desgraça alheia. Por isso que já decidi: dia 22 de Setembro, em plena Praça do Ciclista, vou queimar aquilo que tantos sonham e pagam (quando não compram) como se estivessem “comprando a liberdade”. Será a última vez que minha carteira de motorista vai ajudar a poluir essa cidade.

Todas as terças escrevo para o Jornal Destak de São Paulo, na coluna “Seu Destak”. Clique e veja a coluna no site do Jornal.

12 thoughts on “A Lua marrom

  1. Beth Maria

    Li atentamente a matéria do blog e todos os comentários. Me diverti com tanto cinismo da parte protestante (sem ofensas). Obviamente, todos têm seu ponto de vista e deve ser respeitado por tal. Eu cresci sem carro algum, meus pais até hoje não possuem carro. Eu tenho 34 anos e há 10 anos atrás, quando tirei minha carta de motorista, comprei meu primeiro veículo. Hoje, por opção, não dirijo mais, mas não abro mão da comodidade que ele nos oferece. Um carro não é luxo, como nos anos 50**, é necessidade. A poluíção não é só culpa do veículos motorizados, existem vários tipos de poluíção, inclusive auditiva, visual (dentre outras), que acabam poluindo por completos nossas mentes, e isso é, na maioria dos casos, irreversível. Não podemos ser completamente “bitolados” e aceitar tudo nos vem, mas ao contrário, como não depender de certas imposições desta nossa sociedade que nos escraviza? Isso é meio dramático, não? Mas é exatamente isso que percebi neste debate evasivo, com um propósito importante mas com resultado óbvio e cômico. Concordo com o autor do último comentário em todo conteúdo. Eu iniciei minha vida de trabalho muito cedo, e digo, o transporte público é o mesmo de 15 anos atrás e, a população só têm aumentado, com o crescimento demográfico de uma cidade, estado ou país, sem dúvida, a infraestrutura urbana, deveria ser adequada. Impossível esperar um ônibus com um parente infartando do seu lado e depois, andar mais 10 minutos a pé com o mesmo nas costas. Ou esperar o táxi chegar a seu endereço, ou se quer esperar a ambulância, lógico, “MORTE NA CERTA”, a esperança é que não seja nosso pai ou irmão. Aliás, todos esses meios de transportem poluem, a diferença deles para um carro, é que as chances do infartado sobreviver seriam maiores do que na espera destes outros meios.
    Boa sorte em seu protesto, respeito mas não concordo. Aliás, com tantas adaptações contemporâneas e tanta criatividade (de alguém que sabe se virar**), invente um carro com pedalos. Humm, copie, pois, os Flintstones tiveram a idéia primeiro. rs

    1. bicicreteiro

      Beth, queria responder essa materia com mais cuidado, mas estou no meio de uma viagem de bike (pode acompanhar os detalhes dela indo pra pagina inicial do blog) e nao tenho tempo em me aprofundar. Mas vou colocar alguns pontos.

      1) 90% da poluição do ar da cidade de Sao Paulo vem dos carros e isso é comprovado cientificamente.

      2) 12 pessoas morrem diretamente por causa da poluiçao e nos dias mais secos o numero sobe pra 20. Tambem comprovado pelo Lab da Fac de Medicina da Usp.

      3) Usa carro quem quer e quem nao quer usar (como eu) tenho que ter esse direito assegurado pelo governo, algo que nao ocorre hoje.

      4) Veja esse outro texto que escrevi.

      http://www.destakjornal.com.br/readContent.aspx?id=18,57376

      Ele explica um pouco mais do porque nao tenho carro. Principalmente porque se eu tiver, vou me sentir usado por essa industria automobilistica que manipula quase todo mundo, desde governos até a populacao.

      Abs

      André Pasqualini

  2. Adial Júnior

    Ok, vou procurar no Youtube esta matéria. Também sou contra poluição mas insisto em dizer que a maioria não é a culpada disso, não acredito que o povo não aceite carro elétrico ou movido a hidrogênio, desde que não saia uma fortuna. Quanto a falta de respeito dos motoristas precisa haver punição severa contra isso. E isso é com nossos governantes. Carro sozinho não mata ninguém, é igual ao caso das armas: o problema é de quem as utiliza não delas em si. Ainda acho sua visão meio que radical pois só fala mal do carro como se ele fosse o único culpado, sendo que os ônibus lotados também desgraçam a vida de qualquer um que deles faça uso e só enchem os bolsos dos donos de empresa. Eles também poluem, fazem barulho e atropelam. Tem que lutar também contra isso então. Eu já acho que infelizmente ainda não é todo mundo que pode ter um carro ou moto, pois se fosse assim acabaria a exploração dos mafiosos donos de empresas de ônibus em cima do trabalhador. Mas isso está mudando muito nas capitais, não sei se aí na sua cidade é assim. O trânsito de Curitiba virou um caos devido a maior facilidade de financiar um automóvel hoje em dia, e também culpa da péssima administração desta capital e da preguiça de muitos em pedalar. Quem tem o mínimo de condição não vai querer usar um transporte público precário mesmo!

    Eu desde criança sonhei em ter o meu automóvel (de preferência um antigo) pois para mim ele não é mais nem luxo: é uma necessidade assim como o telefone. E quando posso uso também minha bike. Mas cada caso é um caso não é?

    Bom não estou falando isso para mudar sua cabeça, seja feliz sem carro então. Pelo menos pedalando não dará dinheiro para máfia nenhuma!

  3. Adial Júnior

    Só peço que não me interprete errado, claro que se tivesse transporte público de qualidade eu o usaria, pois teria vantagens nisso: leria um livro, teria mais tempo para estudar para o concurso que estou preparando. Usaria carro também pois além de meio de transporte o meu personalizado serve de propaganda minha. Mas alternaria pelo menos. Não odeio ônibus mas a maldita exploração que esses donos de empresas fazem com o povo. E sou muito diferente de outros motoristas que tem um carro para se achar superior aos outros, tanto que nem carro zero eu ligo muito. Prefiria ter muito mais um Cadillac 1958 que marcou época e a minha vida. Acho que a gente não pode ser radical nisso senão vai entrar em contradição. Quer um exemplo: você vai pegar um ônibus mas não se esqueça de que quase todos no Brasil são a diesel e também poluem. O mesmo ocorre com caminhões, caminhonetes e motos a gasolina, sem contar os aviões, navios, muitos trens etc. Já pensou se não houvesse meio de locomoção motorizado? Não sei como se vira se tiver que levar seu filho no hospital de bicicleta se for a mais de 10 quilômetros de distância. Então se for viajar da sua cidade até Brasília por exemplo você irá pedalando ou a pé? Bom, se for é um direito e um risco seu. Nessa hora um automóvel ou qualquer outro meio de locomoção automotor faz falta não adianta negar. Se for ambulância polui também por ser a diesel ou gasolina na maioria das vezes. Como você mesmo citou existem tecnologias que não poluem e se não usam nos carros por causa da máfia dos combustíveis isso não é culpa nossa. Não nos dão outra alternativa, vamos fazer o quê? Vou trabalhar a pé, 40 km de ida e volta? Convença os políticos então a permitirem um carro que não polua que eu usarei sem problema.

    Ah, antes que me esqueça: respeito e admiro os ciclistas e se morasse no máximo a 5 km do meu trabalho eu a usaria mais que o carro, desde que não chovesse. Respeito os pedestres, dou vez para outros motoristas passarem e não vivo em excesso de velocidade, apesar da maioria dos curitibanos agirem diferente infelizmente.

    1. bicicreteiro

      Adial, você é quem está achando que eu quero que todo mundo pedale apenas. Se tiver que viajar vou de ônibus, se tiver que levar meu filho no médico vou de transporte público ou taxi.

      Não sou contra meios de locomoção motorizada. Sou contra meios de locomoção poluentes. Pior é saber que existe tecnologias limpas mas para manter esse povo que adora carro reféns da gasolina, boicotam toda tentativa de mudar a matriz energética. Assista o documentário “Quem matou o carro elétrico” para entender o que eu falo.

      Eu não tenho carro porque não quero ser usado por essa industria que só quer saber de lucrar com a desgraça do resto da população. Carro só é bom para quem está dentro. Quem está fora dele tem que aguentar fumaça, barulho, tem que andar com medo para atravessar uma rua pois ninguém respeita a vida de quem está fora do carro, nem na calçada você consegue se sentir protegido.

      Os espaços de convivência das cidades são destruídos para que a minoria da população possa andar de carro, pois não é todo mundo que pode ter um (ainda bem).

      Leia com atenção, eu não tenho carro, não quero ter e tenho meus motivos. Mas se você quiser ter, paciência. É um direito seu.

  4. Adial Júnior

    Bicicreteiro (não seria bicicleteiro o correto?). Sei lá, tanto faz, cada um escreve o que quiser no seu blog. Vai me desculpar mas penso um pouco diferente de ti. Claro que respeito seu direito de não ter carro mas no meu caso e no da minha família ele é necessário sim! Você diz que foi criado sem carro e não morreu por causa disso. Não morri também, mas com certeza viveria melhor com ele, me sobraria mais tempo e seríamos mais independentes se houvesse sido criado com um desde criança. E meu pai provavelmente teria morrido se não fosse socorrido por um vizinho com o nosso carro de madrugada quando teve o infarto. Não sou contra bicicleta, tanto que tenho uma e pedalo em fins de semana, mas como que vou levar ele, minha mãe e irmã em hospitais e postos de saúde com bicicleta? Vai me dizer que posso pegar táxi? Ué, mas táxi é carro, estaremos usando carro do mesmo jeito não é? Pegar ônbus? Nem pensar! Vivem socados de gente até espremida na porta, é desconfortável, difícil de descer onde você quer em certos trechos, você respira ar viciado e ainda por cima tem o risco de roubarem sua carteira. Fora as mulheres que são desrespeitadas por marmanjos vagabundos que ficam se esfregando nelas às vezes. Tudo isso porque o transporte coletivo no Brasil é uma máfia e aqui em Curitiba (tida falsamente como cidade modelo em transporte público) não é diferente. No dia mundial sem carro fiz questão de ir trabalhar com um dos nossos dois carros e com consciência tranquila ainda por cima. Estou poluindo e dando dinheiro para a máfia do petróleo? Prefiro dar dinheiro para esta máfia e ir no conforto e praticidade do que dar dinheiro para os ladrões e exploradores do transporte público! Nós motoristas não somos os culpados disso coisa nenhuma. Se os políticos brasileiros estivessem tão preocupados com isso colocariam um transporte público de qualidade com metrôs, trens elétricos e ônibus elétricos que não poluem, além de uma boa rede de ciclovias como na Europa. Com horários diferenciados para não sairem todos no mesmo horário de pico e superlotarem a cidade. Investiriam no interior para não virem todos para as capitais. Deveriam colocar mais ônibus e com mais bancos para atender bem a população etc. Lembro me de que nos anos 80 um cara inventou um carro movido a água, saiu até na televisão e depois ficou por isso mesmo. Agora pergunto: por que o governo federal não permitiu sua comercialização sendo que este não poluia? Agora vêm nos dizer para deixarmos nossos carros em casa? Conversa fiada! Sou a favor de cada um ter seu carro, pois se um tem todos tem o mesmo direito não é verdade? Boicotando o transporte público de Curitiba ou essa maldita URBS melhora o serviço ou irão à falência. Sim, queira ou não carro é um mal necessário. Nos Estados Unidos praticamente cada um tem o seu, é um tipo de símbolo da pessoa bem sucedida. E é um país desenvolvido. Te dá liberdade de ir para onde quer sim. Em cidades interioranas bem pequenas onde não há linhas de ônibus ter um veículo próprio ajuda e muito, principalmente quando a pessoa tem pouco tempo como eu. Claro que quando dá para usar a magrela deve ser dado preferência a ela. Mas no meu caso para trabalhar não há outra solução: moro há quase 20 km de casa, as ruas são mal conservadas, tem muitas subidas e o clima da minha cidade varia muito. Só deixarei meu carro em casa no dia que o transporte público for realmente de qualidade, e isso ninguém me tira da cabeça!

    1. bicicreteiro

      Caro, me desculpe mas nem se tiver transporte público de qualidade você abandonará seu carro. Não tenho nada contra quem quer ter carro, meu problema é com o mal que eles causam. Enquanto traz beneficios ao dono, ele traz problemas a todos ao seu redor e infelizmente a maioria dos motoristas não estão nem aí pra eles.

      Eu não tenho carro, quando preciso levar meu filho a algum lugar me viro. As vezes não ter carro atrapalha, mas na maioria das vezes ajuda. Quero ter o direito de não ter carro e ser tratado com dignidade, quero que quem tenha carro compense de alguma forma o mal que ele faz aos outros, poluindo a cidade, degradando as ruas, quero que haja justiça, só isso.

      Quer ter carro, ótimo, é um direito seu, mas só quero que os motoristas respeitem quem não quer ter e não se considerem seres superiores só porque tem um.

      Ah, é “bicicreteiro” mesmo, não se esqueça que a lingua é viva.

  5. In

    Uma informação do blog da freecycle:

    http://blogdafreecycle.wordpress.com/

    Você sabe quanto custa ter e, principalmente, manter um automóvel?
    08/06/2010 por Ricardo Fiorini
    É mais econômico andar de táxi ou manter um automóvel? Quem já não parou pra pensar nisto? Esses dias aconteceu comigo e logo que cheguei em casa fui direto para o computador, alimentar uma planilha de excel. Coisa simples. Estudo sem embasamento científico algum, mas na minha opinião, muito próximo da realidade. Talvez até um pouco conservador (pró-carro). Tá curioso? Aí vai…
    DEPRECIAÇÃO

    Um automóvel que custa R$ 35.000,00 quando novo, não é vendido por mais do que R$ 25.000,00 após 5 anos de uso. Mas estou dando um “colher de chá” Calculei uma depreciação menor: R$ 8.000,00
    Depreciação no Período de 5 anos: R$ 8.000,00

    Anual: R$ 1.600,00
    Mensal: R$ 133,33
    Diária: R$ 4,44

    DESPESA COM MANUTENÇÃO

    Sabemos que este item é bastante relativo. Depende muito da marca, modelo, motorista, sorte, etc…mas tenho certeza que todos concordam com a despesa abaixo:

    Despesa com manutenção no Período de 5 anos: R$ 2.500,00
    Anual: R$ 500,00
    Mensal: R$ 41,00
    Diária: R$ 1,66

    DESPESA COM SEGURO

    Normalmente, o valor do seguro de um veículo de R$ 35.000,00 sai em media por R$ 1.500,00/ano (se for um GOL, aí o número é bem maior).
    No período de 5 anos: R$ 7.500,00
    Anual: R$ 1.500,00
    Mensal: R$ 125,00
    Diária: R$ 4,16

    DESPESAS COM IPVA

    O valor calculado para um veículo de R$ 35.000,00 ficou em media de R$ 900,00 por ano.
    No período de 5 anos: R$ 4.000,00

    Anual: R$ 900,00
    Mensal: R$ 75,00
    Diária: R$ 2,5

    DESPESAS COM MULTAS

    Calculei um mínimo de 3 pequenas multas por ano…
    No período de 5 anos: R$ 1.000,00

    Anual: R$ 200,00
    Mensal: R$ 16,66
    Diária: R$ 0,55

    DESPESAS COM COMBUSUTÍVEL

    Fiz o calculo baseado no consumo de gasolina,. Um trajeto de 30Km por dia e um consumo médio de 10KM por litro de gasolina…

    No período de 5 anos: R$ 12.000,00

    Anual: R$ 2.400,00
    Mensal: R$ 200,00
    Diária: R$ 6,66

    SERVIÇOS DE MANOBRISTA / ESTACIONAMENTOS OCASIONAIS

    Vai me dizer que você consegue estacionar na rua? E quando vai ao Shopping? Entrou no Shopping dançou…são em média R$ 6,00 de estacionamento. Calculei um gasto mínimo com Vallet e estacionamentos ocasionais de R$ 100,00 por mês.
    No período de 5 anos: R$ 3.600,00

    Anual: R$ 720,00
    Mensal: R$ 100,00
    Diária: R$ 3,33

    CUSTO DO DINHEIRO

    Se você comprou um carro por R$ 35.000,00, além do veículo depreciar, e este item já está sendo levado em conta neste estudo, existe o custo desse dinheiro. Estou levando em conta uma aplicação na poupança para o valor de R$ 35.000,00 durante o período de 5 anos.

    Rendimento no Período de 5 anos: R$ 12.683,00

    Anual: R$ 2.536,00
    Mensal: R$ 211,00
    Diário: R$ 7,46

    Enfim, o que interessa….Sabe quanto custa manter um carro de R$ 35.000,00 pelo período de 5 anos?
    A “bagatela” de R$ 53.988,00!!! Ou R$ 10.797,00 por ano, R$ 899,80 por mês, R$ 30,37 por dia….

    Vamos comparar com outros meios de transporte?
    Ficou definido pelo meu estudo que o custo com um carro é de R$ 30,37 por dia

    ONIBUS/METRÔ
    Se usarmos 2 ônibus, o custo diário seria em torno de R$ 6,00 e após 5 anos este valor seria de R$ 9.000,00

    TAXI
    Ainda é mais caro que um automóvel. Se usarmos o serviço para ir do centro pro bairro e voltar, o custo seria em torno de R$ 35,00 por dia. O problema é o trânsito. Se um dia ele pega um manifestação na paulista!

    BICICLETA
    Sem dúvida o mais econômico dos meios de transporte. Uma excelente bicicleta custa em torno de R$ 1.300,00. E mesmo se desfazendo da magrela após 3 anos de uso e comprando outra nova, o custo diário, ainda assim, fica em torno de R$ 1,83.

    A MELHOR ALTERNATIVA – BIKE + ÔNIBUS/METRÔ
    A melhor alternativa é a integração dos transportes públicos com o uso da bicicleta. Destaco as bicicletas dobráveis DAHON. O custo de uma Dahon e duas passagens de ônibus ou de metrô, sai por dia R$ 7,83

    Essa mudança de hábito não é fácil. o uso de automóvel faz parte da nossa cultura. Mas pensando nos dias atuais, com tanto carro na rua, praticamente o “ir e vir” não acontece. Não saímos do lugar. E nós sabemos o desperdício que é, ficar parado, aborrecido, vendo R$ 53.988,00 indo pelo ralo…

    Ricardo Fiorini

    PS:1. Não esqueça que o autor é dono de uma loja de bike.
    2. A vida não se resume somente a objetividade da matemática. Pagar R$200 numa garota de programa ou bater uma olhando pro 200,00 pode não dar a mesma satisfação/sensação.
    3. Radicalismo não leva a lugar nenhum. Os petralhas elegeram sob a bandeira da ética e após eleito jogaram a ética pelo vaso sanitário. O que eles fazem hoje Sarney, Jader Barbalho, etc faziam em termos regionais: os currais.
    4. Nem oito nem oitocentos: carro X bike não são excludentes e sim complementares.

  6. daguvasco

    Sabe bicicreteiro, ja pensei n vezes em fazer isso, mas ñ da.
    De certa forma, o carro assim como seguro ou plano de saude, é um mal necessario.
    Não da pra se desfazer dele assim, tenho um guri tbm de 9 anos, trabalho eu e minha esposa a 12 km de casa.
    Ela fica com o carro e eu de bike, mas na hora que acontece alguma coisa, precisamos do carro pra solucionar, hospital, mercado viagens etc.
    Acho que tem que ter um meio termo, assim como faço com ela, ela fica, da carona as amigas, tem o horario dela, e eu fico com a magrela.
    Acredito que de uma familia 1 fazer isso, ja é uma mudança valida.
    Aquele

    1. bicicreteiro

      Tudo é possivel, minha família só foi ter carro quando eu tinha mais de 6 anos e já éramos 3 filhos. Mesmo assim só meu pai usava o carro e sempre que precisavamos sair, seja lá pro que for, era ônibus ou taxi.

      Minha mãe criou eu e mais 5 filhos sem carro, são milhares de famílias que vivem sem carro e ninguém morre por isso. O carro não é um mal necessário, está muito longe disso. Infelizmente ele traz uma comodidade e um conforto que deveríamos ter no Transporte Público. Como não temos, as pessoas resolvem seus problemas com um carro, ignorando ainda mais o transporte público criando esse circulo vicioso.

      Além disso ainda há essa dependência dos combustíveis fósseis a que somos impostos por motivos economicos, pois já há tecnologia para resolver ao menos os problemas da poluição, mas nada é feito pois há muitos que lucram com isso, seja a Petrobras, e as demais empresas de combustíveis e até mesmo as empresas de planos de saúde.

      Como vivi anos sem carro e não morri, vou continuar vivendo sem e faço questão de não colaborar com um centavo sequer para toda essa indústria que lucra com essa caos que nos é imposto.

      André Pasqualini

      1. Daguvasco

        Concordo com seu ponto de vista.
        Infelizmente pra mim, ele é um mal necessario, pois ja que temos condições não vou usar um onibus fedido e lotado pra sair e me divertir com minha familia e muito menos pegar um taxi pra tal atividade.
        Ando de carro somente o necessario, assim como minha esposa, sei dos gastos dele, mas se por no papel pra mim, pra mim, sai mais em conta ter um carro na garagem do que ficar indo de taxi ou de onibus, por isso deixo com minha esposa e faço oque gosto que é pedalar.
        Sei que estamos discutindo o sexo dos anjos, não vai adiantar nada, mas de cada familia, um fazer sua parte imagina a diferença que fará futuramente?
        Se cuide.
        Aquele

      2. bicicreteiro

        Daguvasco, se todos que tivessem carro usassem como você não estaríamos nessa merda. Eu optei por isso e vou colher tanto os frutos como os prejuizos.

        Não adianta pedir para que todos usem o carro com parciônia, veja no Dia Sem Carro como serão poucos a aderir. Por isso acho que todo mundo que quer usar o carro tem que ter esse direito mas terá que pagar uma “compensação ambiental”.

        Uma empresa quando faz uma obra e causa algum impacto não tem que compensar? Com os carros deveria ser o mesmo. Toda a arrecadação de IPVA sequer o prejuizo que o estado tem com acidentes de trânsito.

        Tinha que ser como na holanda, lá o “IPVA” é cobrado por km rodado, quem anda mais paga mais, quem anda menos paga menos e quem como eu não tem carro teria até benefícios do governo. Mas aqui, benefício só para quem quer comprar um carro com IPI 0.

        []s

        André

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: