Dr. Pedrinho a Alto Cedros

Na quinta etapa deixamos os arrozais de Dr. Pedrinho em direção dos lagos de Alto Cedro. Ficamos na Bela Pousada em Dr. Pedrinho que realmente faz juz ao nome. O dia lindo, com sol e algumas nuvens, mas nada da chuva do dia anterior.

Os primeiros 10 quilômetros foram bem planos, beirando os arrozais e um belo rio.

Cumprido os 10 kms, chegamos na cachoeira Veu de Noiva, local belíssimo que tem uma história bem inusitada.

A cachoeira está numa propriedade particular mas sempre foi aberta a população. Um belo dia toda a propriedade foi vendida a uma pessoa que teve a brilhante idéia de construir ali uma hidroelétrica. A população quando soube fez muito barulho, se organizou e conseguiu barrar (por enquanto) a obra. Pra se ter uma idéia do nivel de complexidade, os moradores conseguiram fazer uma lei contra a obra, mas como a Camara demorou para aprovar, o prefeito assinou um decreto que foi revogado pelo vice quando teve que se afastar, causando até um racha na cooligação.

Hoje ela esta protegida, mas é preciso ficar muito atento pois o novo proprietário que usar a energia da usina para abastecer suas fábricas. Bastaria o governo entrar na jogada, comprar a fazenda transformando-a num parque e resolver a questão do fornecimento de energia do empresário, mas para isso é necessário a complicada “vontade política”.

Falando novamente da cachoeira, para acessar há um single track divertido, onde minha aro 29 passou com extrema facilidade, apesar de tanto peso.

Não contente com a belíssima visão de baixo, subimos até o topo da cachoeira de onde avistamos um lindo arco iris, valendo a pena cada segundo das 3 horas que passamos ali. Depois do plano até a cachoeira, começou a subida. Essa estrada que pegamos faz parte de uma fazenda e como náo há nada para se comer nesse trecho, temos que levar uma marmita. Aqui na parte alta não temos mais os longos trechos planos, um sobe e desce constante desses trechos de colinas.

O diferencial dessa parte do trajeto são as belíssimas araucárias e a ausência de carros, como é bom pedalar sem carros passando por você e jogando aquela poeira.

Durante essa etapa a duas travessias de rios sem ponte, ou seja, você tem que molhar os pés ou passar pedalando. Como o volume de água estava baixo passamos pedalando sem problemas.

Bem, teve um problema. Na segunda travessia, peguei o celular para tirar uma foto da Renata fazendo a travessia. Levei um escorregão, tacando meu celular numa pedra pontuda. Por sorte ele ainda está funcionando, mas o visor ficou estraçalhado.

Mais um pouco e avistamos a barragem de Alto Cedros, local maravilhoso. Não demorou e chegamos na pousada do Raulino Duwe que fica do outro lado da barragem e para avisa-los da nossa presença, a gente tem que tocar um gongo.

Infelizmente o gongo foi depredado e o senhor Raulino teve que ficar esperando a gente para fazer a travessia.

Chegamos numa pousada simples e aconchegante, sinal de celular sem chances infelizmente, nos sobrou apenas adiantar os textos, descansar pois o dia seguinte seria novamente puxado.

Veja toda a galeria de fotos desse dia no Facebook do Bicicreteiro.

4 thoughts on “Dr. Pedrinho a Alto Cedros

  1. Elisângela

    Olá tudo bem?! Bem legal sua viagem!!! Vc poderia me informar como faço para entrar em contato com seu Raulino Duwe

  2. Celia L Leal

    Oi Gente!
    Já me programei pra fazer o circuito na semana entre o Natal e Ano Novo. Qual é a etapa que compreende a grande subida, parece que 8 Km, não? Qual é a pousada mais próxima no final dela? É hard mesmo, ou o pessoal exagera um pouco? Rsss
    Outra coisa: o melhor tipo de pneu pra essa ciclo?
    Boa viagem de volta pra vocês!
    Bj
    C. Leal

    1. bicicreteiro

      Oi Célia, nem tem muito o que falar. Eu me programaria para, ou fazer a terceira etapa de Indaial até a Pousada do Zinco e depois Zinco para Dr. Pedrinho, exatamente como a gente fez.

      A outra opção é fazer em 8 dias e ir até o terceiro conforme sugerem os organizadores, daí em rodeio você poderá curtir o Vale das Trutas e a Vinicula, para no dia seguinte encarar a subida de mais de 1000 metros até a Pousada do Zinco.

      Em Rodeio hoje há apenas uma pousada simples de cama e café, portanto se você conseguir acelerar, até dá para ver tudo de Indaial até Rodeio e chegar no Zinco no começo da noite, mas será bem puxado.

      Obrigado pela mensagem de volta, mas na verdade já voltamos para São Paulo, não conseguir publicar as etapas de lá porque fiquei sem sinal de celular por 3 dias, mas vou publicar nos próximos dias detalhes de cada etapa.

      []s

      André

  3. Jairo Gustavo F Cruz

    O Raulino e sua toda sua família são gente muito fina! Também nos acolheram em fevereiro com muita gentiliza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *