Boas vindas gauchas, mão na cabeça e documento.

image

No Brasil, se existe uma Instituição que não serve pra nada, é a polícia militar. Tirando a Policia Federal, a investigativa e não a rodoviária, que não fede nem cheira, nenhuma outra instituição policial tem o meu respeito e me desculpem os bons policiais, pois infelizmente vocês são minoria.

O que mais me revolta é o preconceito e a diferença de tratamento que a população recebe dessa instituição. A polícia pode até ser boa para quem tem dinheiro, mas uma instituição que não trata as pessoas como iguais, pra mim não serve pra nada.

Há dois dias encontrei um casal de canadenses que irão dar uma volta pelo Brasil. Chegaram em Florianópolis, subiram a Serra do Rio do Rastro e seguiram ao Sul, rumo ao Vale dos Vinhos na Serra Gaúcha. Depois eles seguirão rumo a Foz do Iguaçu, Pantanal, Mato Grosso, Brasília (incluí o Jalapão na rota deles), Amazônia, finalizando um pedal pela costa brasileira até o Rio de Janeiro.

Um projeto lindo, uma oportunidade de levar informações do Brasil e conhecimentos da nossa cultura para a terra deles. Nem preciso dizer que enquanto eles estiverem no Brasil serei padrinho deles.

Nem preciso dizer também o quanto de terror colocaram neles sobre o Brasil, violência, assaltos, essas coisas ruins que tanto falam de nós lá fora, mesmo assim eles vieram para o Brasil. O dia de ontem ocorreram várias coisas, meu bagageiro quebrou, depois meu cambio, começou com um sonho horrível, mas irei focar apenas sobre o momento de pânico (deles) e revolta (minha) que vivemos.

Assim que passamos em frente a uma fábrica de celulose a 15 kms de Cambará do Sul, um comboio com uns 2 caminhões e vários carros sendo duas viaturas da polícia rodoviária passaram por nós. Mais tarde viemos a saber que se tratavam de cigarros apreendidos que seriam incinerados.

Passando a fábrica encaramos uma longa subida e meus amigos canadenses estavam empurrando a bicicleta quando o comboio começa a retornar. Passaram os carros da receita federal e atrás as duas viaturas, uma foi em frente e a segunda parou. Achei que seriam como os policiais rodoviários de Santa Catarina, que haviam nos visto pedalando várias vezes durante o feriado, nos monitorando para saber se estava tudo bem conosco e ainda nos deram várias dicas sobre a região.

Antes de continuar, vou contar a minha situação. Meu cabelo esta comprido, não corto tem uns 6 meses e prometi ao meu filho que só iria cortar quando eu resolvesse nossa situação, portanto, promessa pra filho é divida. Já a barba eu deixei crescer desde que decidi vir pra cá para ajudar a suportar o frio, portanto estou quase um hippie. Mas quem me conhece sabe que, apesar da cara de maluco, a única droga que uso é a legalizada, a famosa cervejinha.

Voltando a abordagem, os policiais desceram da viatura, com armas em punho gritando – “MÃO NA CABEÇA! DOCUMENTOS!”

Imaginem como meus amigos ficaram, eles já são brancos, ficaram parecendo fantasmas. Eu fiquei muito puto e parece que essas coisas tem que ocorrer comigo, nada de conversa, apenas uma truculência totalmente desnecessária.

Fiquei revoltado e deixei claro que assim estava, questionei o porque daquela abordagem, perguntaram de onde éramos e eu disse que eles eram canadenses e eu de São Paulo. Disse que já pedalei no Brasil inteiro e nunca fui abordado assim, e ainda ouvi do policial que os Paulistas acham que o mundo gira ao nosso redor. Só faltava essa, declaração bairrista.

Não estava comparando essa abordagem com a da policia paulista, que não é nada santa, mas nem na Bicicletada Interplanetária de 2008 agiram assim. Comparava com a abordagem dos Matogrossenses e da polícia de Tocantins que apesar de ridícula, longe de ser truculenta.

Foram várias pérolas que eles mandavam, disseram que primeiro eles abordam com truculência (tratam como bandido) e depois tratam normalmente. Agora se eu tivesse numa mclaren como o Thor, será que teria esse tratamento? Perguntei se era assim que eles tratavam turistas e me disseram – “Você não é turista!” – Ah, mandaram aquela normal do “fazemos isso pela sua segurança” – Vá a merda, corto minhas bolas fora se eles dariam o mesmo tratamento se eu estivesse de cara limpa e num carro de bacana. Preconceito puro.

Fiquei com vergonha, meus amigos estavam em pânico, olha só a imagem que eles estavam recebendo do nosso país, será que esse é algum treinamento especial para a copa do mundo? Ainda tiveram a coragem de dizer que no mundo inteiro a polícia age assim. Vá a merda novamente, jamais eu receberia um tratamento estúpido e humilhante dessa maneira se estivesse no Canadá.

Sou paulista, cresci e vivi na periferia e sei muito bem como o pobre é tratado pela polícia e infelizmente, apesar de continuar achando isso um absurdo, estou acostumado. Mas eles jamais passaram por uma situação como essa e por isso sinto pelo quanto eles ficaram assustados.

Ah, perguntei – “Se nós somos tão perigosos, porque não nos abordaram quando nos viram pela primeira vez? A resposta é que eles estavam escoltando uma carga importante, ou seja, depois do trabalho vamos tirar uma onda com os ciclistas ali.

Não tirei fotos dos PMs, até porque, apesar dessa abordagem não ter sido algo que venho de cima, (duvido que houvesse alguma denúncia de cicloterroristas na estrada), sei que se esses PMs receberem ordens para beijar nossas bundas, é isso que eles fariam, portanto a culpa não é deles em especial, mas da Instituição que eles representam.

Não fui o único a me revoltar, mas todos os gaúchos que contamos o ocorrido tiveram o mesmo sentimento. Disse aos meus amigos canadenses, que se eles tiverem algum problema, jamais procurem a polícia, infelizmente não podemos contar com eles, pois no Brasil, a polícia não serve a toda a população e sim a uma pequena parcela.

Mas caso eles tenham algum problema, seja lá qual for, eles poderão sempre contar com o povo brasileiro, esse sim estará preparado para acolhe-los e ajudá-los. Seja lá onde eles estiverem, seja no Rio Grande do Sul, seja na Amazônia ou no Vale do Jequitinhonha, povo igual ao brasileiro não há. Não considerem esse ato isolado como padrão de um povo, apesar do Brasil ser um país fantástico, nem tudo é perfeito e a polícia é apenas mais uma das Instituições que nenhum brasileiro consegue se orgulhas.

Durante minha viagem fui abordado duas vezes por PMs, apesar de receber duas abordagens ridículas, ao menos os policiais do Mato Grosso e de Tocantins foram educados, nada de truculência, nada de abuso de autoridade. Nada de “tratamento especial” como esses PMs disseram para dar ao meu documento.

Ao mesmo tempo que tenho orgulho de ser brasileiro, tenho muita vergonha de algumas instituições que temos, mas a vida é assim e enquanto estiver vivo não conseguirei me calar contra qualquer atitude estúpida dessa ou de qualquer outra instituição. Um dia, ou perdem a paciência comigo e colocam uma bala na minha cabeça, ou nossos governantes tomarão vergonha na cara para refundar essa falida instituição que é a polícia militar.

André Pasqualini

20 thoughts on “Boas vindas gauchas, mão na cabeça e documento.

  1. Márcio

    Pode até não ser algo específico do RS, posso estar enganado. Mas essa truculência e grossura é a cara dos gaúchos. São ensinados desde criança a serem machos, farroupilhas, e a cantarem o hino de uma revolução fraudulenta.

  2. Jorge Luis

    A verdade é que existem muitos brigadianos, são chamados assim no RS, metidos a valentões quando estão fardados…Eu conheço vários assim…batem nas pessoas como se fossem os donos da lei e da verdade…Me desculpem os bons brigadianos do RS, mas a maioria é metido a valentão e dono da lei…

  3. Evandro

    Infelizmente o problema é bem maior do que a instituição PM (ou no caso do RS, BM – Brigada Militar). O ser humano, sobretudo o brasileiro, ávido por relevância e influência, é facilmente corruptível ao poder. Quando o poder não vem do status social ou econômico, vem do bélico. E nada melhor do que um revólver na mão da “otoridade pulissa” para que o mundo esteja abaixo dos seus pés. Que venham falar que a educação pode ser fatal na abordagem de um “meliante traficando em bicicleta” em plena paisagem extremamente urbana e populosa na periferia de Cambará do Sul (aos desinformados, ironia “mode on”). Tira a arma da mão de qualquer PM que ele vira um cordeirinho em pele de lobo, porque ainda vai acreditar ser um semideus dotado do poder da “otoridade”, que os mortais devem se curvar ao trovão da sua voz e que sua palavra é lei, tal que fosse um rei quando na verdade é um servidor público pago para proteger antes de mais nada. É verdade, existem policiais com bom caráter e conduta e é verdade, são minoria. Conheci várias pessoas antes de entrarem para a corporação, pouquíssimos por convicção na justiça e a maioria por necessidade de poder. Os que tinham boa conduta antes mantiveram o equilíbrio, mas os bundões zé ninguém de antes se transformaram nos super machões com arma e escudo que adoram uma oportunidade para humilhar os outros e valorizar sua existência medíocre.

  4. Marcos

    Sou Policial Rodoviario Federal e ja fui PM e tambem sou ciclista. Concordo com Vc sobre as criticas as instituições policiais, so não generalize criticando as pessoas, como se todos os policiais fossem assim. Existem muitos valorosos e excelentes policiais neste pais. Quando alguem generaliza um comportamento indvidual e critica todos os ciclistas, tambem não gostamos não é mesmo?

  5. marcelo

    Estavamos discutindo atitudes de PMs reféns de um sistema de segurança ruim, ilógico e mal feito. Dai vc entra na discussão de valores morais meus? Uma coisa não tem nada a haver com a outra. Realmente não tem como continuar um discussão saudável sobre este tema.

    1. bicicreteiro

      Não sei se você reparou, mas minha crítica não foi apenas aos PMs, mas sim a Instituição que os forma. Que os ensina a agir de forma preconceituosa e em favor das minorias. Mas apesar deles serem mal treinados, ali esta uma pessoa que pode ou não abusar do seu poder para humilhar outra pessoa. E eles sim abusaram do seu poder. Acho estranho você concordar com a truculência, provavelmente é porque você teve a sorte de não passar por tal experiência, pois duvido que alguém que passou por isso deva achar normal ou ao menos aceitável. Mas fazer o que, tem gente que acha que a Ditadura agiu certo em torturar e matar tanta gente!

      1. marcelo

        Eu concordei com vc em tudo. Mas vc não concordou comigo que o que leva a truculência é o sistema ineficiente, ilógico e mal comandado. Eu NÃO concordo com a truculência nem com o abuso de poder. Mas ENTENDO porque isso acontece. Pelo fato de entender de forma mais ampla é que apoio os PMs nesta atitude errada que eles tiveram.
        Vc não é bandido, mas podia ser. E se fosse, poderia estar armado. Simples assim. E vc não leu minha primeira resposta com atenção. Pois ja passei por abordagens bem piores que a sua. Na hora fiquei P da vida, mas depois me coloquei do outro lado em consegui entender.

  6. marcelo

    Bom, apoio os policiais. Por incrível que pareça. Policia boazinha e educada é no exterior, e olhe lá. Tem muita droga sendo levada por bike. Os meliantes andam armados. Então o PM é uma pessoa normal, como vc. Só que ganha mal, tem péssimo treinamento, pode morrer a qualquer hora e ainda tem que fazer jornadas de trabalho ilógicas.
    Agora se coloque no lugar dele depois de uns 5 anos de trabalho nessa situação? Pense friamente e diga: Eu seria super educado e responsável em todas minhas abordagens, mesmo que eu possa morrer…
    Já tive abordagens muito piores que essa que aconteceu com vcs. Na hora é ruim. Mas eu consigo me colocar na situação do PM e entendo o que ele faz. Não CONCORDO mas entendo.
    Como resolver essa situação da policia? Com a politica atual colocando o gerenciamento da coisa publica na mão de políticos ao invés de técnicos? Acho que nunca vai resolver.
    Sobre a viagem, a região é muito bonita mesmo. Ja pedalei por lá.

    1. bicicreteiro

      O que?
      Como assim apoia os policiais?
      Sabe quantos carros passaram por mim nessa viagem com cheiro de Marofa?
      Sabe quantos moleques bebendo e tomando cerveja eu vi pelo meu caminho?
      Sabe quantos carros andando a mais de 160 km/h passaram por mim pelas estradas gaúchas, onde o limite é 80?
      Para todas as perguntas a resposta é a mesma, foram várias vezes que presenciei os fatos acima. Agora sabe quantos policiais eu vi na estrada coibindo esse tipo de infração?

      NENHUM!

      Se eu visse um policial na estrada, com radar na mão, ou parando e abordando motoristas nas situações acima eu até aceitaria uma abordagem, desde que fosse com educação e dignidade, mas a única vez que eu vi um PM foi para jogar para a plateia, para excercer abuso de autoridade e para causar vergonha ao povo gaúcho.

      Por isso que eu digo, uma instituição que só serve para proteger uma classe social, nem deveria existir. Se não serve para atender toda a populaçao, de forma igual, não serve para nada e é isso que eu acho da polícia. E essa instituição terá que mudar muito para ter o meu respeito.

      1. marcelo

        Concordo com tudo que vc fala nesta resposta.
        Mas vc não se colocou na pele desses PMs para pelo menos tentar entender pq eles são “truculentos”.
        Sobre multar carros eu concordo plenamente. Não existe fiscalização. Parece que não é qualquer policial que pode multar na estrada, tem que ser o “rodoviário”. E ainda assim diz que é super trabalhoso e burocrático multar alguém (apesar de ser o trabalho deles). Então eles só multam em último caso.
        Por isso continuo apoiando os pms nas abordagens, é melhor eles serem acusado de abuso do que levarem bala pelo “educação” na abordagem.
        Lembre que para bandidagem matar PM é troféu. Se coloque na pele de um PM depois de saber isso…

      2. bicicreteiro

        Pera lá. Você quer dizer que acha normal eles serem truculentos com ciclistas e agirem com sutileza com quem esta de terno e barba feita? Você acha normal eles terem o direito de julgar a pessoa pela aparência e ter tratamento diferenciado com aqueles que eles “julgam”, não merecedores de cordialidade? Desculpe, nesse caso nem dá para discutir pois temos valores morais muito distintos. Abs

  7. Fernando Gilliatt

    Aqui em Sao Paulo tão com o cú na mao pq a bandidada tá caçando eles… Ai eles ficam escondidinhos… Aí qdo é manifestaçao, passeata ou coisa que o valha, que sabem que a galera é tranquila, ficam corajosos e nos tratam dessa forma!!!

  8. epa

    Aqui no RJ todas as Cidades vizinhas tiveram os indices de criminalidade aumentados pelo menos 7x depois que instalaram o projeto UPP na Capital, avisavam 1 semana antes para os bandidos fugirem para outras cidades, passava um helicóptero jogando filipetas com dia e horário da ocupação, um absurdo que não passa na televisão …. enquanto gente de bem é abordada desta maneira pelas ruas … meu medo é só ter minha vida ceifada por uma atitude imbecil como essa … todas as diligências da Policia Federal, BOPE, até Civil voltavam carregadas de drogas e armas dos morros enquanto que a PM-RJ foi a que menos realizou apreensões … muita muita muita corrupção …. como se diz por aqui …. o SISTEMA absorve quase tudo!

  9. jlages@hotmail.com

    nao sei o que passa na cabeça dos policiais militares… seja o q for deve ser resultado da pessima formaçao que têm, em combinaçao com o poder de autoridade que lhes é concebido… sou mineiro e já fui abordado na rua 3 vezes, em 3 situaçoes diferentes. detalhe: eu era menor de idade, nunca representei perigo para ninguém e nas 3 situaçoes os policiais ja vieram com arma em punho, apontada para nós (eu nao estava sozinho), mandando encostar na parede.
    vejam bem: nunca apontaram uma arma para mim, exceto a policia! e o lema deles é “servir e proteger”… agora me pergunto, pra que serve a PM? em vez de oferer segurança, apontam armas para adolescentes?? é assim que vao me proteger? quem eles pensam que sao? o que estao fazendo??? o que eles aprendem na academia? por essas e outras nao confio em PM nenhum, para mim sao porcos ignorantes mesmo.

  10. svicente99

    André, lamentável ter que relatar um acontecimento como esses. Ainda mais porque foi presenciado pelos nossos colegas canadenses. Vão reforçar a imagem que se tem lá fora do nosso país (e que não está mesmo muito distante da realidade…).
    Foi uma abordagem “gratuita” sem nenhuma necessidade e com modos pouco adequados.

    Lembro que fui inspecionado na Espanha, ao chegar, de uma maneira 100% educada. E numa rota que a gente sabe que passa muita droga pesada mesmo, fora todo o problema de imigração entre os 2 países. Vamos levar décadas para que as instituições de policiamento tenham o devido preparo para lidar com segurança pública.

    Segue tua cicloviagem e esquece isso. Abç/

  11. Wagner

    Infelizmente é assim, não sei se por sorte ou algo parecido, nunca fui abordado pela polícia, mas sei como ela atua, cansei de ver eles saindo do carro já com arma em punho e mandando “pra parede, mão na cabeça!”
    Como meu pai diz, até parece que todo mundo é bandido… (mas se estiver numa Mercedes…)

  12. Diego Magalhães

    Complicado esse PM´s se acham os tais… Grande perigo que um CicloTurista representa… o POder de fuga então…Qta Velocidaade!

  13. Mário Cardoso

    fico muito triste em saber desse fato, só buscamos um pouco de liberdade sem repressão, e o que ganhamos? manifesto meu apoio a crítica acima citada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *