Base do trajeto que pretendemos percorrer, cerca de 40 mil quilômetros

Base do trajeto que pretendemos percorrer, cerca de 40 mil quilômetros

O trajeto a ser percorrido leva em conta apenas a necessidade de passar por todas as capitais e percorrer grandes extensões de todos os Biomas brasileiros, além de procurar colocar no trajeto os principais parques do Brasil, (tanto nacionais como estaduais) e percorrer rotas históricas ou de peregrinações, como o Caminho da Luz em Minas, ou a Estrada Real.

Estimamos que o trajeto terá algo em torno de 40 mil quilômetros, a título de comparação, essa foi a distância que alguns brasileiros percorreram em suas voltas ao mundo. A média de deslocamento dificilmente será maior que 40 km/dia, isso porque nossa prioridade serão as pesquisas e conhecer a fundo nosso país.

Quando estivermos na estrada, faremos uma previsão de chegada em algumas cidades de, no máximo, 3 meses e vocês poderão conferir por aqui essa previsão. Abaixo um pequeno resumo do nosso trajeto base, mas não garantimos que seguiremos à risca, pois sempre estaremos abertos para mudar o trajeto sempre que houver algo interessante a ser explorado.

Sairemos de São Paulo e logo no início já daremos preferência por trajetos rurais, indo por Paranapiacaba, até Salesópolis para de lá descer a Serra do Mar pela Estrada da Petrobrás até Caraguatatuba, o destino será Parati até o início da Estrada Real.

Apesar da Estrada Real ser o caminho a percorrer, iremos fazer pequenos deslocamentos para desbravar o Parque de Itatiaia por exemplo. Na Estrada Real faremos nossa primeira transição de Bioma, saindo da Mata Atlântica e entrando no Cerrado para, enfim chegar a primeira capital, Belo Horizonte. Nas capitais ficaremos períodos de até um mês para realizar os trabalhos de mobilidade urbana e também para mapear trajetos para o DBM Brasil.

Parque Itatiaia

Parque Itatiaia – RJ

De BH iremos rumo a Brasília, depois Chapada dos Veadeiros, Ilha do Bananal, Xingu rumando para Porto Velho em Rondônia, já em Floresta Amazônica. Será nossa primeira passagem pelo Bioma Amazônia que cortaremos de Sul a Norte, passando por Manaus. Continuando ao norte, entraremos em Roraima e chegaremos em Boa Vista. De lá faremos uma expedição pois um dos nossos desafios será desbravar o Monte Roraima.

Depois de Boa Vista sairemos do Brasil, passando pelas Guianas, Suriname, até entrar no Brasil por Oiapoque. A partir de então entraremos numa nova fase da viagem que terá como objetivo mapear todo o litoral brasileiro, passando por todas as capitais do Nordeste, já no Bioma Mata Atlântica, rumo ao Chui. Claro que nesse trajeto faremos alguns desvios, pois não deixaremos de subir o Pico das Bandeiras, ou mesmo pedalar pelas Serras Catarinenses, ou pelo Parque Aparados da Serra.

aparados

Parque Aparados da Serra – RS

Ao chegar na divisa com Uruguai, iremos percorrer um dos nossos menores e mais desconhecido Bioma, os Pampas. Rumo ao interior do Brasil, entraremos novamente em Mata Atlântica quando chegarmos a Foz do Iguaçu. Faremos a transição para o Cerrado em Mato Grosso do Sul quando passarmos em Bonito e uma parada em Campo Grande antes de desbravar o Bioma Pantanal.

Transpantaneira - MT

Transpantaneira – MT

Cruzaremos o Pantanal rumo a Cáceres, cidade onde há o encontro de 3 Biomas, Cerrado, Pantanal e Floresta Amazônica. Depois da passagem por Cuiabá (24ª capital), passaremos pela Chapada dos Guimarães e seguiremos pelo Cerrado rumo a Goiânia. Subiremos um pouco a norte até Palmas no Tocantins e de lá partiremos rumo ao Parque do Jalapão, depois cruzaremos o Rio São Francisco e entraremos no nosso último Bioma, a Caatinga, antes mesmo de chegar a Chapada Diamantina. De lá seguiremos rumo a João Pessoa, onde fica o quilômetro zero da Rodovia Transamazônica.

Ali tentaremos repetir o feito da ilustre Louise Sutherland, a primeira pessoa a cruzar, de bicicleta a Transamazônica, isso em 1978. Antes disso faremos um pequeno desvio para conhecer a Serra da Capivara, o maior sítio arqueológico do Brasil e voltaremos para a rodovia pois pretendemos passar por Belomonte, outra das maiores tragédias ambientais do Brasil (no mesmo nível de Mariana) até entrar no trecho mais difícil da Transamazônica, onde o asfalto ainda não chegou (e nem chegará).

Cortando a Amazônia de leste a oeste, nosso próximo destino será a última capital a ser percorrida, Rio Branco no Acre, encerrando assim o Projeto Brasil em Ciclos. Mas já que estamos no Acre, não custa nada continuar viagem pela Transoceânica, subindo a Cordilheira dos Andes até Cuzco e pedalando até o Chile, mas a partir dali acaba nosso projeto e começa nossas férias.

Essa é uma diretriz do nosso trajeto, nada nos impede de alterá-los conforme a conveniência, desde que mantenhamos nossas obrigações de percorrer todas as capitais e biomas brasileiros. Pra encerrar, caso a gente vá passar perto da sua cidade, ou analisando o mapa você percebe que iremos passar longe de algum local que você acredita que não podemos deixar de conhecer, entre em contato e faça sua sugestão, pois não hesitaremos em alterar nosso trajeto para melhorar ainda mais nossa viagem.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: