Bicicreteiro pode ter vários significados. Muitos são os que classificam de “bicicreteiro” aquele ciclista que pedala de forma inconsequente, na maioria das vezes se colocando em risco. Mas pior são aqueles que usam esse termo para se referir aos ciclistas mais humildes, como forma de diminuí-lo, como se criassem a categoria “Ciclista” (entidade superior) e o “Bicicreteiro” como “o mais baixo na escala social do ciclismo” (inspirado pelo ilustre Casoy).

Mas não posso me esquecer das vezes em que chegava numa cidade, com a bicicleta toda carregada, e as pessoas diziam – “Mas também, você é um Bicicreteiro” – usando o termo para me elogiar, como se eu fosse um ciclista acima da média, alguém especialista no assunto, praticamente um atleta. Ser chamado de Bicicreteiro por essas pessoas, vem a ser o máximo de elogio que um ciclista pode receber.

Percebendo o crescimento do ciclismo no Brasil e principalmente, sentindo no ar a tentativa de alguns ciclistas se diferenciarem dos ciclistas mais humildes (como muitos usuários de motos fazem ao tentar estabelecer uma diferenciação entre motoqueiros/motociclistas), resolvi adotar esse nome, até porque me identifico muito mais com um ciclista de barra forte, do que com aqueles que tentam usar uma bicicleta de alto valor mais como um símbolo de Status do que para pedalar.

Quero com o blog mostrar a infinidade de variações que temos no mundo do ciclismo e principalmente quebrar alguns mitos que só servem para atrapalhar que tenhamos um número ainda maior de pessoas pedalando. Mas principalmente, mostrar que para pedalar, só precisamos de uma boa bicicleta e que em alguns casos não chega a custar mais que uma peça de picanha (viram o preço da picanha?).

Pedalar pode ser muito mais simples e prazeroso do que parece, o mundo da bicicleta é maravilhoso, intenso e vibrante. Não importa as diferenças, no fundo todos nós queremos ver mais ciclistas nas ruas, o mundo da bicicleta só parece complicado, mas ele é acessível e qualquer um pode participar.

Portanto tire a poeira daquela magrela encostada na garagem, encha os pneus e venha conhecer mais desse maravilhoso mundo da bicicleta e meu papel aqui é te ajudar.

 

 

Comments

Bronca(s)

50 thoughts on “Por quê Bicicreteiro?

  1. carlos camargo

    Olá boa tarde, curti muito tudo o que li no O BICICRETEIRO, comecei a pouco tempo andar de bike pela cidade mas me apaixonei fácil, fácil. Foi muito bom encontrar pessoas com o mesmo pensamento e com uma vontade imensa de melhorar as coisas ruins que olhamos pela cidade. Espero poder fazer novas amizades e conhecer novos lugares com todos vcs. Abraços e ansioso para poder participar do próximo desafio.

  2. BikeTirinhas

    Muito legal seu site. Estamos totalmente de acordo com o fato de que hoje, ciclista não é só aquele que usa roupinha colada ou uniforme de quipe, mas sim todo aquele que deseja e vive sempre com a sua magrela !
    Grande abraço

  3. Ricardo José

    Olá, gostei da forma em que o site se coloca no contexto das bicicletas. Como bom bicicreteiro que fui, durante anos, concordo em gênero, número e grau com a posição do site. Atualmente sou policial rodoviário e, nestes 20 anos de carreira, tive a infelicidade de atender acidentes fatais e socorrer vítimas graves, envolvendo trabalhadores e suas bicicletas. Na minha carreira, tenho um momento em que, durante o socorro á vítima, perdi uma camisa da farda, cheia de sangue, nos idos de 1997, em Caraguatatuba. Infelizmente a falta de politicas públicas que incentivem o uso de bicicletas e a falta de investimentos em infraestrutura que facilite o deslocamento de trabalhadores entre bairro e centro, são as responsáveis pelo caos em que o ciclista vive atualmente. Realizo palestras de trânsito em empresas, montei um site (www.mundotransito.com.br) e uma revista sobre educação de trânsito, a primeira do Brasil no gênero e sei bem o quão é difícil a vida do ciclista, muitas vezes obrigado a cometer infrações de trânsito para deslocarem ao trabalho. A saída ainda é planejar, incentivar e promover, através de melhorias viárias, o uso de bicicletas. Enquanto não houver esta visão de política, o bicicreteiro sempre estará em uma posição marginal no contexto do trânsito.

  4. jramalho63

    Pois é, André.

    Uma das minha maiores bandeiras no ciclismo é que, para que o ciclismo em si se desenvolva num páis como o nosso, somente com a valorização, o incentivo e a criação de infraestrutura justamente para os “bicicreteiros”.
    O lazer e os esportes do ciclismo são importantes, claro, mas para que o nosso povo, a nossa cultura, possa assimilar a bicicleta da forma como ela deve ser assimilada, como instrumento de transporte pessoal, rápido, não-poluente, econômico e, principalmente, saudável, nós precisamos investir nos “bicicleteiros” já!
    Uma das minha visões diz respeito à implantação de ciclovias, ciclofaixas, ou qualquer tipo de estrada que uma bicicleta possa trafegar com um pouco mais de segurança no meio urbano para levar gente que trabalha, gente que produz, de casa para o trabalho e vice-versa, sem a tortura dos transportes coletivos “de terceira”, ou os dolorosos engarrafamentos em que uma pessoa apenas, fica presa dentro de um veículo poluente, grande e com mais quatro lugares vazios. Ciclovias que liguem os bairros, as periferias e os municípios próximos aos centros de produção, com biciletários seguros, mecânicas e toda infra necessária.
    Isto é, além de possível, incrivelmente barato, se comparado às obras necessárias para dar mais liberdade e espaço aos automóveis, se ainda se encontrar espaço para isso, claro.
    Gostei do blog e da mobilização. Pode contar comigo para assuntos relacionados, ok?

    Grande abraço e bons pedais!

  5. lucilia

    Ótima “defesa” d@s bicicreteir@s! Recentemente fui chamada de “ciclomendiga” e “ciclohippie” (utilizadas num tom pejorativo) por propostas que coloquei no meu blog, como confecção dos alforges, por exemplo. É bom encontrar com quem acha que a bicicleta é pra todo mundo!
    =]

  6. Vânia Moraes

    Não dá pra passar por um blog desses e não deixar um comentário elogiando um trabalho tão bacana como o seu, tanto como informativo como e o mais importante, de incentivo, hoje tantas pessoas se mantem fechadas em um mundo de sedentarismo que nem mesmo acreditam que possam se exercitar, ainda mais percorrendo grandes trechos de magrela, e o seu trabalho traz essa luz as pessoas, meus parabéns pelo seu trabalho, que tenha sempre esse gás pra trabalhar em prol do incentivo à pedalada que traz benefícios físicos, sociais e emocionais também.
    Sou bicicreteira também e amo muito pedalar, procuro incentivar as pessoas à aderir, mas de forma bem mais modesta que a sua.
    Desejo a ti felicidades, coragem nas novas empreitadas e muitas conquistas em seu trabalho.
    Mais uma vez meus parabéns.

    Vânia – Curitiba

  7. Marcos Costa

    Boa noite André
    Parabens pelo seu blog ….. muito bem elaborado ….. textos bem interessantes …… e inspiradores ….. sou bicicreteiro algumas vezes por semana ….. sempre que posso ….. sinto que ao andar de bicicreta ….. me renovo e me liberto cada vez mais dos grilhões ….. termo forte né ….. da vida moderna ….. gostaria de saber ….. como participar de suas ideias e contribuir para esse seu eco-objetivo ….. de promover saude ….. alegria ….. confraternização ….. e felicidade para todos ….. um grande abraço e até uma proxima …..

  8. Rodolpho Costa gebellini

    Eu tenho um filho especial e no momento não tenho condições de comprar uma bicicleta.
    Fiquei dois meses desempregado, voltei recentemente a trabalhar.
    Gostaria de informações para entrar na fila para obter uma bicicleta de doação.
    Segue abaixo o meu nome, email e telefone, obrigado;
    Rodolpho Costa Gebellini – (11) 4408-6477 – rodolphocg@ibest.com.br

  9. EDENILSON R. VERISSIMO

    ANDRE, BLZ
    É O DE DA DE BIKE DE BAURU, TD CERTO
    VC PODE ME INFORMAR QUANDO SERÁ A ROTA MARCIA PRADO ESTE ANO
    VALEU
    ABÇ
    DE

  10. Washington Assis

    Olá André.
    Sou de São Paulo e, ontem, eu e um amigo fomos de Barueri até Itu pela Estrada dos Romeiros. Em Itu fizemos amizade com um grupo de 5 ciclistas que indicaram o seu blog.
    Doravante, quando eu quizer mais informações sobre o maravilhoso mundo da bike já tenho este endereço para acessar.
    Grande abraço.

  11. Glauco Cordiolli

    André, conheci o seu blog quando procurava informações sobre a ciclovia da marginal Pinheiros, estou ainda lendo e já posso garantir que esta entre os meus favoritos, parabéns e obrigado p/ dividir essas informações e sua luta pelo mundo do pedal, os cicristas agradecem.
    Vida longa e keep rolling, rolling down the road e off road também !!! Abs !

  12. Pablo Souza Nascimento

    Odiava bicicleta, aquela magrela sempre me cansava quando subia a ladeira pra escola!!! 12 anos depois comprei uma Mountain bike para os finais d semana. Daquele momento em diante minha vida nunca mais seria a mesma!!!!!! Hoje sou muito feliz de declarar que sou um orgulhoso BICICLETEIRO e assim como foi dito antes: ” Que pedalar pode ser muito mais simples e prazeroso do que parece, que o mundo da bicicleta é maravilhoso, intenso e vibrantre.”

  13. Igor

    Simplesmente demais!!!
    Ótimos textos, ótimas coberturas de suas próprias notícias, brilhantes iniciativas de fazer com que cada vez mais pessoas sintam vontade de fazer da Bike um meio de transporte logo após como o de lazer!!!
    Bicicleteiros, Ciclanos, Bikers, Ciclistas, sejam de finais de semana, sejam de meio de locomoção!!! Somos todos esses em busca da liberdade de ir e vir assim como aqueles com a prosposta por um mundo mais sustentável!!!

  14. fabs balvedi

    André, por que paragens andas? Precisamos de ti aqui em Curitiba. Dá um alô, tentei contato via email mas não rolou, palestra para motoristas de ônibus em pauta, mas todo teu material de referência que existia na web está fora do ar. Cara, aquele teu trampo é muito importante, tinha que continuar sendo divulgado. Se precisar de ajuda pra colocar a parada disponível novamente dá uma alô. Saludos!

  15. Ricardo

    Estive na Ciclovia (18/12) em Guarulhos/SP, ficou otima, vou levar meu filho todo domingo, para ele começar a pedalar pelas ruas.

    1. bicicreteiro

      Que legal Ana, mensagens como a sua é que são motivadoras e me mostram que devo continuar me dedicando cada vez mais a essa “nossa” luta.

      Sempre que puder irei acompanhar o seu blog e se tiver novidades me avise, inclusive alguma sugestão de pauta, até porque Santos é um pulo e vou muitas vezes para a cidade, já que adoro descer para a praia pedalando.

      Abs

      André Pasqualini

  16. vivimarar

    Olá Andre, eu eu eu, eu tambem sou bicicreteira !!!! hehehe
    Visitei o blog e adorei !!! Estou aqui acompanhando cada km pedalado por vocês.
    Obrigada por compartilhar !!!!
    Bjão
    Vivi Mar

  17. quandoeutinha8anos

    Boa tarde colega,

    Sou formada em Segurança do Trabalho e estudante de Meio Ambiente. Achei seu blog em uma de minhas pesquisas pro curso. Adorei o Projeto Biomas e aprendi muito viajando na garupa virtual da sua bike. Também mantenho um blog, que une Saúde, Segurança do Trabalho e Meio Ambiente, aqui no wordpress. Se tiver um tempinho clica em http://maesso.wordpress.com e confere.

    Abraços e que Deus te acompanhe por essas estradas afora.

  18. Luciano Santos

    Gostei da definição e do titulo do blog

    Já fui todos esses tipos de bicicreteiro menos o cicloturista só uma viagem de 102 km com mochila …
    Valeu

  19. Sandro Gavião

    Cara!!! parabens pelo projeto! Estou acompanhando igual novela, esperando sempre o próximo capítulo. Sou do ABC Paulista, mas conheço bem a região que você está passando agora (Minas), sei que as subidas são simplesmete crueis. Detona as pernas e principalmente a mente.
    Mas fique forte no caminho que eu estarei aqui aguardando os próximos capítulos e desejando um final feliz.
    Abraços ciclísticos.

  20. Antonio José Matienzo

    Olá, André! Trabalho com um conhecido seu e achei sua aventura a minha cara, exceto a parte da coragem e do know-how, hehe. Na verdade, entrei nesse mundo de bike há pouco mais de um ano e tive dois grandes problemas até agora. 1) Moro ao lado da via Anchieta, que seria minha porta de saída da minha bicicleta para o mundo, mas após 500m de pista já encontro uma placa de “Proibido Bicicleta” provavelmente devido a trechos sem acostamento, proibição que você deve ter encontrado aos montes em suas viagens; 2) Como prefiro trajetos rurais, meto a magrela na lama com frequencia. Após enlamear a corrente, logo começa um pesadelo chamado “chainsuck”, que já fiz de tudo para evitar e não consegui.***
    Assim eu pergunto: qual tua recomendação para esses dois problemas? Forte abraço.

    1. bicicreteiro

      Brother, corrente se troca com 3 mil km. Depois da lama tem que lavar a bike, de preferência com um desengripante ou diesel e lubrificar novamente com óleo de corrente. Não pode ficar rodando com a bike cheia de lama, pois pode acontecer o que rolou comigo, a corrente esticou e devido a sujeira gastou mais que o normal a coroa do meio e agora tenho que trocar. Abs

  21. Bruno

    Mano, parabens, eu tb sou trilheiro e meu sonho é fazer oq vc esta fazendo, sou do Tocantins e vou entrar em contato com a Globo pra vc ir até o JÔ blz?
    Sucesso, falow!

  22. Daniel

    Olá André, tive a oportunidade de passar e ver sua entrevista dada em Confresa-MT a RNATV com Hilário Tavares, cujo vídeo está postado no site da RNATV, não sabia do que se tratava, agora vendo o vídeo e o twitter, achei interessantíssimo suas fotos seus textos, enfim, valeu. Parabéns.

      1. Daniel

        Então André, irei acompanhar o seu trajeto, visite o site da RNATV e veja o video da sua entrevista, na relação de reportagens aparece lá como “projeto biomas”. Valeu boa sorte.

  23. Selene

    André, que prazer enorme saber de vc e que continua com seus projetos antigos.
    Quando puder entre em contato comigo. Já procurei vc pelo orkut, e não te achei.
    Um forte e saudoso abraço.

    1. bicicreteiro

      Prazer é meu ver um comentário seu. Saudades de você, da Sueli e da Maria Helena. Não tenho orkut, dou preferência ao Facebook. Caso você crie um perfil lá pode me adicionar.

      Bjao.

      André

  24. André Grion

    André, desejo a vc uma ótima viagem e sucesso neste projeto, acompanho os e-mail do ciclobr, fiquei sabendo de sua aventura e gostaria de ajuda-lo, como posso fazer isso? Tbém moro em SP, e espero conhece-lo pessoalmente. Abçs

  25. Wellcleaf Melo

    Caro amigo Andre,

    Passei aqui para lhe desejar boas pedaladas neste final de ano, que Deus ilumine seu caminho.

    Grande abraço

  26. Elvis Robson Silva

    Olá André!

    Aqui é o Elvis da TRIBO ADVENTURE Cuiabá. Espero que tenhas um ótimo natal, e muito sucesso na sua empreitada…
    Abraços, que o pedal esteja com vc!!!!

  27. Jorge Silva

    Olá!

    Encontrei teu espaço via SWU e quero dizer que gostei da sua iniciativa. Ando bastante de bicicleta e passo pelas mesmas situações citadas nas suas narrativas.

    Parabéns pelo seu empenho e siga adiante, realizando seus sonhos!

    Abraço fraterno.

    Jorge Silva
    Joinville – SC.

    1. carlos modesto

      bicicleteiro e fazer de sua bicicleta um veiculo ,respeitando as leis de transito e usando os equipamento de segurança,usando para sua mobilidade todos os dias.

  28. Pingback: Bonde para Curitiba – parte 1 « Outras Vias

  29. bicicLeteiro

    André,
    pros que falam portuguêis tem o BicicLeteiros aqui da Quinta Comarca de SP (há pouco tempo emancipada e que tem por capital: Curitiba) !
    pra galera mais descolada aí de Sampa, tem o BicicReteiros, coisa dos Mários de Andrade e seus Macunaimas que, só mesmo a vanguarda cosmopolita saca. Mas nóis daqui, tamo correndo de atrás.
    Mas o bacana é saber que, ambos vão de magrela e, carregam por apêlo, o uso mais social da cidade; o meio de transporte mais limpo e sadio e alguns traços de esperança num mundo melhor !
    Um abraço pros primos da cidade grande,
    daqui da quinta comarca,

    os bicicleteiros !

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: