Tempo ao tempo, e não ao preconceito

Hoje quero resumir um texto da Renata Falzoni, em resposta a uma coluna da Barbara Gancia, na Folha de S.Paulo, que citava a Medalha José de Anchieta que ela irá receber por sua luta por melhores condições para a bicicleta em São Paulo. É uma lição a todos.

Compartilhe sem preconceitos - Foto: Alexandre Cappi/brstock
Compartilhe sem preconceitos – Foto: Alexandre Cappi/brstock

“Reduzir-me a ‘medíocre’ não me atinge, pois essa é uma alcunha, dirigida a todos os visionários que nascem antes de seu tempo. Sempre fui e sou criticada por não ser homossexual. Sou julgada pelo meu ‘jeitão’. Evito essa tecla. Não vim ao mundo para discutir opção sexual, mas sim para praticar – e não discutir – o não preconceito.

O não preconceito a tudo, a opção sexual, a raças, a condição social e, em especial, ao modo como eu escolhi para me locomover nas cidades. Eu não somente falo do transporte em bicicleta, eu pratico. Assim busco um mínimo de sustentabilidade e praticar a tolerância.

E, todos os dias da minha vida, dou uma revisada na forma como interpreto as coisas ao meu redor, para identificar onde está o meu preconceito sobre qualquer assunto e cair fora dessa perigosa armadilha: A opinião pré-concebida sem filtros. Não professo religião, mas posso dizer que praticar o não preconceito é uma escolha espiritual.

Sofro pela minha opção sexual heterossexual; por ser uma videorrepórter e não uma repórter ao lado de um cameraman; pela minha preferência de locomoção não condizer com a minha posição social. Imagine o que é chegar a um restaurante “chique” de bicicleta! Preconceito à parte, ir de bicicleta é um direito constitucional. Assim como ir a pé, de trem, de ônibus e até de carro.

Quem pedala sabe que ir de bicicleta é viável – tanto que São Paulo tem 380 mil viagens de bicicleta por dia. Todos os ciclistas com um denominador comum: o bom senso.

Todas as grandes cidades do mundo caminham para retirar os carros das ruas e combinar soluções que somam transporte público à bicicleta. Por que São Paulo será diferente? Aqueles que não acreditam na bicicleta como parte da solução terão suas bocas caladas com o tempo.

Tempo ao tempo, e não ao preconceito. E dia 3 de setembro vamos buscar a Medalha José de Anchieta em homenagem a nossa causa”.

Todas as terças escrevo para o Jornal Destak de São Paulo, na coluna “Seu Destak”.Clique e veja a coluna no site do Jornal.

One thought on “Tempo ao tempo, e não ao preconceito

  1. kararyu

    Coitada da Barbabaca.
    Nem desconfiava o ninho de marimbondo em que estava por meter a mão.
    Tomou porrada de tudo quanto é lado… e continua tomando, viu?
    É bom pra ela e muitos outros aprenderem a força e a união da categoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.