Despedida da Chapada

image

Vento, chuva, muito vento. Até parecia que havia alguém fora da casa mas era o barulho dela desmontando. Já imaginava que se a chuva se mantivesse o dia inteiro teria que ficar mais um dia no ninho, pois seria impossível subir a trilha com aquela chuva.

Mas depois da tempestade vem a bonanza e quando deu umas 9h00 (no meu horário) a chuva parou, então preparei meu café, arrumei as tralhas e parti.

image

Que subida desmontei a bike no começo do morro e comecei a subir primeiro os alforges. Descer é mais perigoso mas a subida, além de perigosa e penosa. São 4 escadas de ferro que amenizam o esforço da subida.

image

Vencendo escadas e trilhas, depois de mais de uma hora e 100 metros de desnível cheguei no Alto do Céu, mirante que quase todo mundo vai mas poucos tem a coragem de descer. Ainda bem que tive essa coragem, adeus Ninho das Águias.

image

Queria ir já na direção de Nobres, mas a suspeita de que minha máquina digital ainda não está boa fez com que eu procurasse um restaurante para poder tentar recarregar antes de seguir rumo a ao Lago do Manso, caminho para Nobres.

Resolvi parar na Cachoeira Véu de Noiva para comer e tirar mais umas fotos para mandar para vocês. Enquanto comia um belo almoço, deixei minhas máquinas recarregando e para minha tristeza nada da máquina recarregar.

image

Então depois de bater um papo com o pessoal do restaurante (e descobrir que Chapada dos Guimarães e Cuiabá brigam para saber quem tem o centro geodésico da America do Sul), resolvi tomar rumo de Cuiabá e daqui seguir para Nobres.

Antes de mais nada, é bom deixar bem claro, o que eu vi da Chapada dos Guimarães não foi nem 10% dela. O ideal é ficar aqui uns 5 dias no mínimo para curtir bem o local. Mas esse não é meu intuito, quero apenas deixar o gostinho no ar para, quem sabe, incentivar as pessoas a descobrirem um pouco mais esse nosso Brasil, de preferência pedalando.

Voltei para Cuiabá e parei numa pousadinha na saída da cidade e se não conseguir recarregar a bateria da minha máquina, amanhã cedinho corro para a assistência técnica, deixando minhas tralhas aqui, tento arrumar e vou o quanto antes para Nobres, a 120 kms de Cuiabá.

Agora vou tacar o pneu slick na bike pois daqui são 675 kms de asfalto até Peixoto de Azevedo, minha verdadeira porta de entrada para a Floresta Amazônica. Até lá os posts diários estão garantidos, mas depois… Espero que não fique tantos dias offline como no Pantanal.

8 thoughts on “Despedida da Chapada

  1. Camila Oliveira

    Ah André.. cadê o novo relato?
    Precisando tanto ler um relato da sua viagem pra ver se coloco um pouco de vida nesse dia cheio de tédio na cidade cinza..
    Bom, torcendo aqui por você e pela internet que nos permite curtir um pouquinho da sua viagem.

    bjão!

  2. JOÃO M.MARQUES/ATLETADEPONTA .

    ANDRÉ, ESTOU ACOMPANHANDO ESSA AVENTURA D E LIBERDADE E MUITA FACINAÇÃO PARA O EGO MUITA SORTE NA SUA PEDALADA MAS, DIGO QUALIDADE DE VIDA NÃO TEM PRÊÇO .

  3. Luiz

    Ola!
    Acompanhei a sua viagem pelo Facebook.

    Muito bacana. Serve de inspiração.
    Sou fã das bikes 29er e vejo que vc utiliza uma Caloi Two Niner.

    Abraços e boas pedaladas.

  4. Gilberto Braz

    Fantástica sua viagem, André. Estou acompanhando desde sua partida em São Paulo. É uma verdadeira aula de Geografia, Economia, Biologia, além, é claro, de cicloturismo. Isso aqui é como um e-book que você está escrevendo. Boa sorte. Quando voltar para São Paulo terá concluído uma verdadeira epopeia. Um abraço.

  5. fernando laz

    fiquei alguns dias sem acompanhar sua viagem, mas deu pra ver qua esta sendo muito da hora, sei que é dificil responder , dar atenção aos comentários da galera mas, nunca vou ficar sem comentar… até agora essa etapa foi a mais bonita (vendo aqui no blog). ao vivo deve ser difícil eleger. o post do natal foi muito bonito, verdadeiro, cara um dia espero conhece-lo dar um abraço e dizer que sua viagem está sendo (hoje) uma escola para as minhas viagens, do mais força e muita saúde para vc boa semana!!!

    1. bicicreteiro

      Amigo, a beleza da viagem está no quanto você se entrega a ela. Admito que ela poderia ser muito mais bela se minha entrega fosse total, mas minha luta é para que isso ocorra.

      Sempre que posso entro para ver os comentários e é muito gratificante receber cada uma dessas mensagens mesmo se as vezes sinto falta de mensagens dessa ou daquela pessoa, não posso deixar de dar valor a todos que estão “pedalando” comigo.

      Espero continuar escrevendo bons textos e que eles sirvam para alguma coisa boa para quem os lê.

      Abraços e continuem escrevendo, sempre que puder, um ou outro responderei.

  6. irineu

    poxa, se eu tivesse lido seu blog antes te daria uma mão em chapada… no entanto esta semana, talvez quarta feira, estarei na estrada que vai para o manso, qualquer coisa que vc precisar, se de fato eu estiver por lá e se coincidir com seu cronograma, poderá contar comigo pra alguma eventualidade.
    força na paçoca!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.