Vamos celebrar a estupidez humana…

Hoje, dia 02 de março de 2012, mais uma celebração da estupidez humana. Da estupidez de um motorista que se achou no direito de “discutir“ com uma perigosa ciclista que cometia o sacrilégio de dividir o espaço da rua com ele. Durante a discussão, jogou seu carro contra ela, a fez se desequilibrar e cair, sendo atropelada em seguida por um outro ônibus que nada tinha a ver com a situação.

Esse outro motorista infelizmente ninguém sabe quem é ainda, pois o corajoso motorista fugiu. Para que esse não seja apenas mais um caso de um corpo que atrapalhou a fluidez motorizada, fica o convite para celebrarmos a estupidez humana, estupidez das pessoas que insistem em usar seus veículos de toneladas como armas, que insistem em achar que tem mais direitos do que aqueles que estão fora do seu veículo, que insistem e desvalorizar a vida alheia.

Hoje a partir das 19h00, concentração na Praça do Ciclista (mais detalhes nesse evento do Facebook), apareça e venha celebrar a estupidez humana também.

17 thoughts on “Vamos celebrar a estupidez humana…

  1. Pingback: Quem será o último mártir? | O Bicicreteiro

  2. larangine

    Olha, gosto de andar de bicicleta e adoraria que a maioria das pessoas parassem de usar o carro diariamente. Mas não acho que seja seguro pedalar em grandes avenidas com o volume de tráfego atual. Motos já são proibidas de trafegar na pista expressa da marginal por causa do risco que corriam, até porque insistiam em passar entre os carros com eles em movimento. As bicicletas também deveriam evitar vias de tráfego intenso. Neste caso não sei se o motorista teve ou não intenção de prejudicar a ciclista, mas acidentes acontecem e se você estiver em uma bicicleta numa via como a Av. Paulista, a chance do acidente ser grave é muito alta.

    Também acredito que muitos ciclistas usam a bicicleta como forma de competir com os carros. Meio que querendo provar pra ele e para os outros que de bicicleta eles chegam mais rápido. Vi muitos vídeos por aí aonde as pessoas ficam ‘contando’ quantos carros ultrapassaram e tal. E nessa loucura esquecem de respeitar o farol de pedestre. Tendo isso em mente, é muito mais seguro que o ciclista ande pela calçada na mesma velocidade do pedestre mais próximo (como eu faço as vezes e já vi muitos fazerem) do que desta forma.

    1. bicicreteiro

      Primeiro não podemos comparar motos com bicicletas e elas foram proibidas na via expressa mas podem trafegar na via local e nao tem o seu direito ao deslocamento negado.

      Segundo, o ciclista deve sim evitar avenidas, mas há casos onde as opções não são viaveis, como na Paulista. Nesse caso o ciclista tem sim que pedalar por ela e o motorista tem o dever de proteger o ciclista.

      Terceiro, pode até ser que realmente tenha sido um acidente, mas o motorista que derrubou a ciclista a pegou por tras, ou seja, se ele não tem a capacidade de ver uma ciclista a sua frente, ele jamais poderia dirigir um ônibus.

      E por ultimo, qual o problema em contarmos quantos carros deixamos para tras no transito. Eu adoro a sensação de liberdade que a bicicleta me proporciona, adoro me sentir livre, principalmente quando deixamos aquele mar de carros estacionados na via publica para tras, mas isso não significa que eu queira matar os motoristas, ou queira algum mal a eles.

      Se isso incomoda algum motorista, o problema nao esta em mim, e sim nele e em sua opçao. Se ele se sente diminuido com isso, nao o dá direito de descontar sua raiva em mim.

      O que tenho percebido é que muitos motoristas parecem sentir raiva de mim só por causa da minha opção. Para os motoristas de bem eu peço apenas mais atenção para com toda a vida fora do seu carro. Já para esses doentes, só torço para que eles não cruzem o meu caminho, pois pretendo ter uma longa vida ainda e trabalhar para ter uma cidade mais humana para meu filho, quando ele começar a pedalar.

  3. Denis

    Desabafo:
    Hj, menos de uma semana de um acidente tão noticiado, estava eu vindo ao trabalho com minha bicicleta pela Berrini quando fui fechado por um motorista que desviava de um ônibus… Eu apenas gritei: “cuidado com o ciclista!”… Foi o suficiente prele frear bruscamente na minha frente, quando eu desviei para a calçada ele começou a me prensar contra o meio fio até eu parar, então ele abriu os vidros e começou a me xingar… Eu desviei por trás, na tentativa de chegar na janela dele, mas ele acelerava, e me forçava para o meio da avenida, sempre me insultando… E foi assim até ele virar para entrar em uma rua menor, atrás do Hilton!!!

    O carro do bonitão frustrado: um Megane GranTour placa EZH-3889…

    Parei num PM, contei o caso e ouvi: “vc pode ir a delegacia, mas depende do delegado até chama o cara pra conversar… Mas aí é sua palavra contra a dele…”

    Desculpem pelo desabafo, ainda estou nervoso!

  4. Jacó F. Chagas

    Concordo com o Pasqualini, ciclovia é uma opção que segrega ainda mais nós ciclistas, a solução é sim a ciclofaixa e a divulgação maciça em todas as midias almejando a concientização de motoristas, motociclistas, pedestres e ciclistas, com isso as novas gerações virão já com a visão que tautomovél é um meio de locomoção e não uma forma de exercer poder, parabéns André continue na sua luta!!!

  5. Silvio

    Satisfeito, sr. André Pasqualini? Vai usar novamente mais um ciclista morto no trânsito como mártir, para promover suas ideias absurdas de colocar ciclista contra motoristas? Voce deveria ser processado por incentivar essa guerra urbana no trânsito, assim como as autoridades que embarcam nessa, criando armadilhas chamadas de ciclofaixas, ao invés de gastar realmente com o certo: CICLOVIAS.

    1. Denis

      Silvio,

      Que absurdo vc esta dizendo?

      Não temos onde criar tantas ciclovias, a melhor solução são as ciclofaixas… Na verdade a melhor solução seria EDUCAÇÃO E ESCOLAS; para as pessoas não pensarem que as ruas são lugar de “guerras”, que todos devem competir! Somos uma sociedade, e bos consideramos mais inteligentes que os animais por isso!

      Se o motorista do carro fosse educado o suficiente para perceber que a bicicleta é frágil e dois minutos desviando dela não o atrasariam tanto para seu compromisso, se o motorista do ônibus fosse educado o suficiente para perceber que a bicicleta é mais devagar, freia menos, se comporta pior nos buracos… Ele estaria a uma distância segura dela! Certamente teria desviado da moça, e esta hora estaria todo mundo feliz no seu destino! Falta CÉREBRO pressa galera apressada! Pois certamente o motorista se atrasou bem mais com o acidente que desviando de uma ciclista! E, assim espero, o motorista estúpido será pego, e vai perder MUITO mais tempo respondendo pelo que fez, do que se tivesse respeitado o veículo menor, como MANDA nosso código de trânsito!

      Eu pedalo nas ruas diariamente para vir trabalhar! O que vc chama de estresse no trânsito, eu chamo de exercício físico! O espaço que vc ocupa com o seu carro, eu ocupo menos de um terço! A poluição que você gera… O consumo… Etc. e tal…

      Tirando que gasto metade do tempo pedalando do que vindo de carro!

      Infelizmente temos que aprender a viver em comunidade!

      1. Jose Renato Bergo

        CONCORDO com a opção de EDUCAÇÃO.
        Não há nada mais transformador que SENSIBILIZAR > CONCIENTIZAR > VIVENCIAR > MOBILIZAR > TRANSFORMAR. Uma proposta agora ( q no calor da coisa pode ajudar) será propor aos SINDICATO dos MOTORISTAS (Ónibus e Taxistas) e SECRETARIA de TRANSPORTES e/ou SPTRANS uma rodada de conversação. Palestra, Workshops ou whatever para mostrar que o grande intuito dos ciclistas é MELHORAR a MOBILIDADE da cidade e que eles tb serão privilegiados com este ciclo.
        Tem que fazer a VISÃO SISTEMICA chegar até os caras de cabeça curta!

        CHEGA de PAU e Bicicletada Burra.
        vamos fazer esforço PROPOSITIVOS.

    2. carinaoliveira

      Caro, Silvio, quanto rancor em seu coração!
      Hoje uma pessoa morreu, e toda comunidade esta abalada, você é ciclista? Acho que o momento é de união, o André sempre foi e sempre será um grande ciclista pela vida, pelo respeito, dignidade e gentileza no trânsito. Um lugar em comum onde ciclistas e motoristas podem sim conviver pacificamente.
      Ter divergências de opniões é natural, é normal, mas “acusar” alguém, atacar e agredir, mesmo que verbalmente uma pessoa, nunca será a melhor solução para uma discussão saudável!

      Já sabemos o nome da menina morta, Julie, e estamos todos chorando por ela.

      Não precisamos de mais ódio e ataque, não aos ciclistas, você deveria direcionar tudo isso a quem realmente é “culpado”. Abraço.

    3. Alessandro

      Nossa, vc sabe o que é uma ciclofaixa?? é um espaço só para o fim de semana de de lazer, não de locomoção, são totalmente fechadas e seguras. Na verdade a única vez que corri perigo na ciclofaixa foi quando um motorista passou pelo sinal vermelho as 6:30 da manhã e por menos de um metro não tirou minha vida, pelo menos um CET estava no sinal, eu gritei para ele e ele disse que multou o cara. Mas como ele estava num super importado, não creio que a multa faça alguma diferença…
      Cadeia para assassinos é o que precisamos, esse pessoal que usa carro como arma não merece viver livremente na sociedade.

  6. Pingback: De novo, na Paulista. De novo, uma ciclista.

  7. Denis

    Só quem pedala em grandes avenidas todos os dias consegue entender o tamanho desta estupidez!

    Espero que um dia este tipo de história não passe de… história.

    Meus sinceros sentimentos a família dela!

  8. Ciclista B

    Lastimável a atitude deste motorista!… Façamos muito barulho em duas e quatro rodas, sem e com motor, para que não se perpetue esta mentalidade de que as ruas são feitas para os carros! Elas são feitas para as pessoas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.