/* */

Montamos uma linha do tempo que ajudará vocês a entenderem a história dessa conquista, confira:

2008

Dezembro: Aquele ano foi muito importante para os ciclistas, principalmente de São Paulo.

Foi o ano da primeira edição do World Naked Bike Ride no Brasil, ocorreu a Bicicletada do Dia Sem Carro que mobilizou cerca de mil ciclistas e nas conversas entre os Cicloativistas surgiu a ideia de juntar uma massa e, em forma de protesto, pedalarmos até o litoral exigindo o cumprimento do art 58 do Código de Trânsito Brasileiro.

Através de emails, panfletos e boca a boca, no dia 06 de dezembro daquele ano, cerca de 500 ciclistas se reuniram na Praça do Ciclista e seguiram em massa rumo ao litoral, mas bastou chegarem ao início da Rodovia dos Imigrantes para serem impedidos pela PM.

Sem nenhuma articulação ou organização, apenas tentando exercer nosso direito de chegar ao litoral, de forma pacífica a massa foi rompendo as barreiras até onde foi possível, infelizmente a maioria não conseguiu chegar na praia naquele dia.

Mas como consequência dessa mobilização, muitos agentes do poder público passaram a dar mais atenção as demandas dos ciclistas.

2009

Janeiro: Após o evento do mês anterior, alguns ciclistas mapearam uma rota evitando ao máximo que o ciclista fosse obrigado a pedalar por rodovias.

Depois de mapeada, um grupo de 15 ciclistas se reuniram para percorrer e sinalizar na rota que tinha como início da Estação Grajaú da CPTM.

Era um domingo, dia 11 de janeiro de 2009 esse grupo de ciclistas realizou esse pedal. Entre eles estava a querida Márcia Prado (de capacete vermelho).

Infelizmente no dia 14 de janeiro nossa querida Márcia foi atropelada por um ônibus em plena Avenida Paulista.

Homenagem a Marcia Prado

Dezembro: Naquele ano André Tanque Pasqualini que era proprietário do Site CicloBR convidou vários ciclistas para criarem uma Ong usando o nome do seu site e consequentemente doando para a causa e se tornando Diretor Geral em sua fundação.

Já pela Ong eles mapearam todo o trajeto da Rota, batizaram em homenagem a Márcia Prado, e como forma de provar ao estado a necessidade de se construir uma infraestrutura para oficialização da mesma, a ong organizou a 1ª Edição do Passeio Cicloturístico da Rota Márcia Prado, que contou com a participação de 1000 ciclistas.

2010

Janeiro: É promulgada a lei nº 15.094/10, de autoria do Vereador Chico Macena, que instituía a criação da Rota Cicloturística Márcia Prado no perímetro urbano da Cidade de São Paulo, o primeiro passo para a oficialização da rota como um todo.

Maio: Nasceu o site Bicicreteiro.org, a princípio como um Blog pessoal do André Tanque Pasqualini, que é editor do site até os dias de hoje, doando de vez o site ciclobr para a ong que ele havia ajudado a fundar.

Dezembro: Ocorre a segunda edição da Rota Márcia Prado, novamente com cerca de 1000 participantes.

2011

Dezembro: Ocorre a 3ª edição da Rota Márcia Prado, dessa vez com a participação de aproximadamente 2500 ciclistas. Embora o evento venha se consolidando, até o momento não havia uma proposta para a criação da rota em definitivo.

2012

Dezembro: Novamente o CicloBR organiza no mês de dezembro o evento anual da Rota Márcia Prado, dessa vez com um recorde de 10 mil participantes.

Milhares de ciclistas percorreram o trajeto desde a Ciclovia da Marginal Pinheiros, passando pelo Bororé, Represa Billings, áreas rurais de São Bernardo do Campo, Parque da Serra do Mar, Cubatão e Santos.

Foto: Fabio Braga/Folhapress

O evento foi um sucesso de participantes mas demonstrou um problema em relação a capacidade da Rota, já que milhares de ciclistas precisaram de horas apenas para passar pelas balsas do Bororé, sem contar o impacto ambiental pela passagem de tantos ciclistas ao mesmo tempo, pelo trecho que corta o Parque da Serra do Mar.

De qualquer forma podemos considerar que esse foi o maior evento cicloturístico já realizado no Brasil, até então.

2013

Dezembro: Ao contrário dos anos anteriores, o CicloBR não conseguiu a autorização para a realização da Rota Márcia Prado, principalmente devido a uma exigência de pagamento de uma taxa de 90 mil reais para autorizar o evento.

Devido a isso a ong resolveu cancelar o evento da Rota naquele ano e nos anos seguintes.

2014

Dezembro: Mesmo sem organização e através das redes socias, ciclistas começaram a se unir, mais ou menos como a primeira edição da Bicicletada Interplanetária e percorreram a rota por conta própria.

2015

 Janeiro: Por conta própria, o editor do Bicicreteiro entrou em contato com a Ecovias com uma proposta que continha a instalação de uma Ciclovia e uma passarela para o ciclista acessar a Estrada de Manutenção da Imigrantes, obra que se realizada resolveria os problemas de segurança do ciclista e permitiria a oficialização da Rota Márcia Prado.

Após alguns meses de reuniões, foi elaborada uma proposta definitiva para ser apresentada as autoridades.

Dezembro: Novamente algumas centenas de ciclistas percorreram de forma desorganizada e anárquica a rota.

2016

Dezembro: Apesar de encontrarem algumas resistências, ainda sim os ciclistas conseguiam percorrer a Rota Márcia Prado ano a ano, mas devido a uma queda de barreira que interditou a estrada de manutenção nesse ano, a concessionária passou a direcionar a massa dos ciclistas para a Rodovia Anchieta.

2017

Dezembro: Graças a uma liminar conquistada na justiça, a Concessionária Ecovias conseguiu impedir que os ciclistas realizassem a tradicional descida.

Após concentrar por horas os ciclistas no alto da Serra do Mar, no início do trecho de descida da Anchieta, a polícia militar dispersou a multidão com uso de bombas.

2018

Fevereiro: Nós do Instituto BRCiclos criamos um abaixo assinado e reunimos cerca de 800 assinaturas e fomos entregar pessoalmente no Palácio do Governo para o Governador, na época sr. Geraldo Alckmin.

Após diversas manifestações e mobilizações, fomos convidados pelos secretários de Transporte e Meio Ambiente do Estado para uma mesa de reunião. Ali nós do BRCiclos apresentamos as seguintes propostas:

1) A criação de um Ciclo-Comitê para debater políticas de mobilidade por bicicletas na esfera estadual;

2) Ressuscitamos aquela proposta elaborada em 2015 em parceria com os engenheiros da Ecovias, para viabilização da Rota Márcia Prado;

3) E sugerimos a realização de um mega passeio cicloturístico anual. Devido as dificuldades ocorridas no evento da Rota Márcia Prado em 2012, apresentamos uma proposta para que os ciclistas utilizassem a Rodovia Anchieta.

Maio: O governador em exercício Márcio França recebeu os ciclistas no Palácio do Governo e anunciou a liberação de uma verba de 5 milhões de reais para realização das obras necessárias para a Rota Márcia Prado e o apoio para a realização do evento anual, batizado de Pedal Anchieta.

Dezembro: É realizada a primeira edição do Pedal Anchieta, que contou com a participação de aproximadamente 40 mil ciclistas

Foto – Edson Lopes Junior/FolhaPress

2019

Janeiro: Nós do Instituto BRCiclos resolvemos sair do Ciclo-comitê e passamos a nos dedicar para a realização da 9ª Edição do Desafio Bicicletas ao Mar (DBM).

Enquanto isso demais ciclistas remanescentes do Ciclo-comitê começaram uma série de reuniões com o Governo do estado, entre outros objetivos, tentar viabilizar a realização de mais uma edição do Pedal Anchieta.

Junho: Após realizarmos com sucesso o 9º DBM em março e percebendo que havia um enorme risco do Pedal Anchieta não ocorrer pois até então nenhuma instituição se dispôs a solicitar a organização do evento, resolvemos protocolar no DER, no dia 24 de junho de 2019, nossa proposta para a realização do evento desse ano.

Setembro: Finalmente o governo autorizou o Instituto BRCiclos para organizar o 2º Pedal Anchieta e imediatamente começamos a trabalhar para viabilizar o passeio.

O 2º Pedal Anchieta será no dia 01/12/2019.