/* */

Esqueçam tudo que viram até aqui. Agora a viagem vai acontecer exatamente como eu propunha. Tenho exatos 15 reais na carteira e nada no banco. Com esse dinheiro, tentarei comprar umas pilhas alcalinas e um facão, algo que todo mundo sugeriu para entrar no Pantanal.

Estou indo sozinho e sem conexão via celular. Meu Tim morreu antes mesmo de entrar no Pantanal, aqui só pega Vivo e olhe lá. Tem noticia de que apenas 2 ciclistas cruzaram o Pantanal sozinho. E nenhum deles fez pela rota que farei. Portanto se conseguir atravessar o Pantanal, serei o primeiro ciclista que não é da região a fazer essa travessia.

Eu tinha duas opções, a primeira, mais fácil e até com mais chances de registrar animais. Iria pelo asfalto na direção de Corumbá e de lá subir o rio Cuiabá de chalana até Porto Jofre, inicio da Transpantaneira. O problema era conseguir subir de barco, pois sem dinheiro, dificilmente arrumaria uma carona.

A segunda opção seria seguir o trajeto que o Yanko e seu amigo fizeram nesse ano, pelo Alto Pantanal, saindo bem próximo de Porto Jofre. Esse caminho é bem mais complicado, dificil e também perigoso.

Julho é o alge da época de seca, mas agora começou a temporada de chuvas, com um calor infernal é certeza de que terei inúmeras dificuldades.

“Cuidado com a onça”, “Você vai sozinho? Tá Maluco?”

Cansei de ouvir histórias, uma pior que a outra sobre pessoas que já morreram vitimas de onça, cobra e tudo mais. Confesso que a dúvida bateu de verdade e quando perguntei que caminho fazer a algumas pessoas que já me conhecem, todo mundo mandou fazer o mais difícil. Ou essa galera bota fé demais em mim ou querem me ver pelas costas, rs.

Fiquei quase 6 dias em Campo Grande, dei uma geral na minha bike, gastei o resto do dinheiro que tinha arrumando a bicicleta e comprando acessórios para os equipamentos eletrônicos e conversei com muitas pessoas que conhecem o Pantanal.

Me preparei muito bem, quando esse post for publicado, provavelmente estarei já dentro do Pantanal. Os próximos dias serão sem contato com o mundo exterior, programarei apenas mensagens padrão de que estou iniciando ou terminando um dia de pedal e o máximo que vocês conseguirão acompanhar é o meu progresso via rastreador.

Sim, estou muito apreensivo. Sim, estou com medo mas será ele que me guiará para que eu faça tudo com prudência, que tome as decisões corretas. E sempre irei lembrar que tem um moleque lindo me esperando em casa e vou fazer de tudo que nada de mal me aconteça.

Pessoal, torçam por mim. Mandem pensamentos positivos e espero que nada de mal me  ocorra para que eu possa retornar mais vezes para esse paraíso de lugar.

Agora só dependo da minha experiência, intuição e da famosa solidariedade dos pantaneiros, aqueles que irão me ajudar durante esses dias. Até Poconé.