/* */

Um belo dia estava eu e um grupo de amigos percorrendo a Rota Márcia Prado, quando chegamos naquele mirante da Estrada de Manutenção (já no trecho de Parque da Serra do Mar, enquanto paramos para tirar algumas fotos, percebi a aproximação de uma SUV prata. O cara estacionou, se afastou do carro e começou a tirar umas fotos nossas. Achei tudo meio estranho, como o motorista percebeu minha estranheza, se aproximou dizendo o seguinte:

– Essa estrada aqui sai aonde?

Respondi: – Sai na Imigrantes, mas essa é uma estrada do Parque da Serra do Mar, é proibido o tráfego de veículos aqui sem autorização, nós só estamos aqui porque temos autorização do parque. Inclusive se os seguranças quiserem, podem apreender seu carro e até mesmo te prender pro crime ambiental.

Então ele disse que entrou na estrada por curiosidade porque viu um acesso, mas que iria sair assim que pudesse. Seguimos em frente, mais adiante ele nos ultrapassou e foi embora.

Isso aconteceu em junho de 2012, uns seis meses após sou marcado nessa foto abaixo:

4lexus -andre

 

Pelos comentários ao lado dá para perceber que isso causou uma estranheza em todo mundo que está na minha Timeline. Como assim? O Pasqua fazendo propaganda de carro? Mercenário! E por aí ai.

Confesso que quando vi isso dei muita risada de tão bizarro, mas não iria deixar barato. Essa era uma página da Lexus Morumbi, uma concessionária desses SUVs estúpidos. Acessando a página da concessionária, havia um link do Facebook justamente para essa página e ali haviam várias fotos, não apenas desse dia mas outros álbuns com o claro propósito de promover esse carro da Lexus. Mais tarde acabamos descobrindo que a dona da marca Lexus é a Toyota e que esse carro em questão custa algo em torno de 350 mil reais.

Entrei com a ação no início de 2013 e pouco antes disso tiraram a página do ar, mas o processo já estava pronto. Mostrei a juíza que cuidou do meu caso o quanto essa propaganda me prejudicou, se tem uma pessoa que jamais faria uma propaganda de carro essa pessoa sou eu, imaginem de uma SUV! Se aquele cara do carro tivesse pedido minha autorização eu jamais cederia POR NENHUM DINHEIRO DO MUNDO, pois se eu fizesse isso seria como jogar todos meus valores morais, tudo que sempre acreditei no lixo.

Entrei com uma ação pedindo uma indenização de 100 mil reais. Pode até parecer muito, mas vamos lá, quanto vale sua imagem? Qual o preço por ser enganado e ser difamado como eu fui? Outra coisa, como punir uma empresa que compactuou com esse absurdo? Cem mil reais para um carro de trezentos, vamos combinar, isso é dinheiro de pinga. Se estivéssemos em outro país eu poderia até resolver minha vida com essa indenização, mas me daria por satisfeito só em vencê-los na justiça e causar o mínimo de transtorno, já que não tem como eles repararem o mal que fizeram comigo.

Até que em novembro de 2014 saiu a sentença que obviamente me deu ganho de causa e condenou a Toyota e me pagar uma indenização. Seria tudo lindo se não fosse um detalhe, a juíza reduziu o valor da indenização para míseros R$8.000,00 com a alegação de que isso poderia significar enriquecimento ilícito.

Agora façam as contas comigo, imaginem se a Toyota resolvesse fazer uma ação de marketing, que chamasse uma agência de publicidade, contratasse fotógrafo, pessoas (que estivessem concordando com a propaganda) para fazerem parte de uma paisagem onde o ator principal era essa enorme, estúpida e poluidora SUV, quanto vocês acham que a Toyota teria gasto? Com certeza bem mais de R$8.000,00!

Portanto depois de tudo que aconteceu, a única conclusão que eu cheguei é que, principalmente no meu caso, o crime compensou PRA CACETE!

Olha que eu nem tocaria nesse dinheiro pois considero algo sujo, o máximo que faria é pagar algumas pessoas que devo e o restante iria doar para a Ong que criamos, o Instituto Cicloativo e tentar “lavar” esse dinheiro sujo investindo em ações que ajudassem os ciclistas. Com cem mil reais a gente poderia construir DOIS Contêineres Oficina e atender duas comunidades carentes, só para ter uma ideia.

Quando publiquei esse post estava viajando, mas em breve publicarei um post mais detalhado e com mais fotos. Enquanto isso vocês podem clicar aqui para acessarem a sentença.

Agora só me resta recorrer e ver se consigo corrigir essa injustiça, mas uma coisa é fato, se a Toyota depositar o dinheiro que pedi da indenização na conta da Ong, eu nem recorro mais. Como duvido que eles tenham essa nobreza, continuarei tentando a justiça na tentativa de que esse caso sirva de exemplo. Se isso não acontecer, esqueçam seus valores, sua dignidade, pois nada disso terá significado sabendo que qualquer pessoa com muito mais poder financeiro do que você pode usar sua força para prejudicar e atropelar todos que entrarem na frente deles, como infelizmente aconteceu comigo.

André Pasqualini